Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Metro do Porto em greve esta segunda-feira. Não há serviços mínimos

Logótipo de ECO.PT ECO.PT 10/12/2018 Lusa
© Fornecido por ECO - Economia Online © Swipe News, SA © Fornecido por ECO - Economia Online
A rede do Metro do Porto vai encerrar a partir das 0:00 de segunda-feira até às 06:00 de terça-feira devido à greve dos condutores das composições, adiantou hoje à Lusa fonte da empresa de transporte público.

“Devido à greve dos agentes de condução e não tendo sido decretados serviços mínimos, a rede do Metro do Porto está encerrada em todas as linhas na segunda-feira”, afirmou a fonte.

Em 16 anos de existência, esta é a primeira vez que a operação da Metro do Porto vai parar devido a uma greve.

A paralisação de 24 horas dos condutores afetos à ViaPorto, empresa que tem a concessão da operação da Metro do Porto, tem início às 00h00 de segunda-feira e foi convocada pelo Sindicato dos Maquinistas.

Os profissionais reclamam redução da carga laboral, alteração na categoria profissional e mais contratações.

“Nós últimos oito anos os condutores da Metro do Porto nunca fizeram greve para além das greves gerais. Chegámos ao nosso limite. Aguardámos durante dois anos com boa-fé, mas agora já passou muito tempo a aceitar as regras da empresa [ViaPorto]”, afirmou hoje à Lusa Rui Pedro Pinto, dirigente no Sindicato dos Maquinistas.

Segundo o sindicalista, há mais de 200 condutores a trabalhar na Metro do Porto e a maioria (90%) é sindicalizada e está preparada para avançar com greve a partir das 00h00.

Aquando do anúncio da greve, em 26 de novembro, Rui Pedro Pinto disse que a empresa Via Porto deverá admitir “uma turma de 12 pessoas, que já está em formação”, mas este é “um númeno insuficiente”, na medida em que “seriam necessários mais 20 a 30 profissionais”.

A redução da carga horária é outra reivindicação que os operadores de condução afetos à Via Porto pretendem ver atendidas.

Rui Pedro Pinto disse na ocasião que o objetivo é reduzir o horário de trabalho semanal das 40 horas para as 37 horas e meia.

“Temos um horário excessivo e isso tem-se refletido na saúde dos trabalhadores e no desempenho das suas funções”, sublinhou.

O dirigente sindical apontou ainda a necessidade de mais formação profissional, em falha “desde há oito anos”.

Os condutores do Metro do Porto pretendem também que lhes seja atribuída a categoria profissional de maquinista.

A rede do Metro do Porto conta com seis linhas, servindo sete concelhos da Área Metropolitana do Porto.

A Metro do Porto refere que 9.000 pessoas podem ser transportadas por hora em cada linha.

]]>
AdChoices
AdChoices

Mais de Eco.pt

image beaconimage beaconimage beacon