Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Passos pressionado para se demarcar de candidato que criticou etnia cigana

Logótipo de Diário de Notícias Diário de Notícias 17/07/2017 Joao Pedro Henriques
Pedro Passos Coelho discursando no lançamento da candidatura de André Ventura, quinta-feira da semana passada, 13 de julho © NUNO FOX/LUSA Pedro Passos Coelho discursando no lançamento da candidatura de André Ventura, quinta-feira da semana passada, 13 de julho

André Ventura, candidato a Loures, retrata os ciganos como vivendo "acima da lei" e "quase exclusivamente dos subsídios do Estado"

A entrevista do candidato do PSD ao concelho de Loures hoje publicada no jornal I já levou várias personalidades ligadas ao PS a exigirem a Pedro Passos Coelho que se demarque.

Ventura - advogado militante do PSD que ganhou notoriedade fazendo comentários desportivos pró-Benfica na CMTV - disse, nomeadamente, que a "etnia cigana tem de interiorizar o Estado de direito porque, para eles, as regras não são para lhes serem aplicadas".

Isto é, usam por exemplo casas camarárias sem pagar e sem que a autarquia os despeje, vivendo portanto num "sentimento de enorme impunidade, sentem que nada lhes vai acontecer" e criando no concelho zonas de "autopoder", como a Quinta da Fonte, "onde são eles que mandam, a política não entra".

No Facebook, o deputado socialista Filipe Neto Brandão, leu nesta "deplorável" entrevista manifestações de "racismo" e "o repúdio da tradição humanista penal de Figueiredo Dias e Costa Andrade". Concluiu com um desafio ao líder do PSD: "Passos Coelho ainda vai a tempo de impedir que este possa ser discurso do PSD numa autarquia, seja ela qual for. Não o fazendo, Passos Coelho será conivente com o candidato e o PSD descerá um enorme degrau na sua degradação moral (não, o racismo não tem desculpa nem justificação)."

Idália Serrão, sua camarada de bancada, alinhou pelo mesmo diapasão: "O racismo, o incitamento ao ódio e a generalização como via para o populismo. A criatura que se assina não é um anónimo. Fala em representação do PSD, pelo qual é candidato a uma das maiores autarquias da área metropolitana de Lisboa. Aguarda-se a tomada de posição e a ação efetiva dos dirigentes deste partido."

E ainda o diplomata (na reforma) e ex-governante do PS Francisco Seixas da Costa, também escrevendo no Facebook: "O PSD tem muito pouco tempo para 'pôr os pontos nos is' neste assunto. É que a 'cereja em cima do bolo' seria, naturalmente, um eventual elogio do PNR a tais declarações."

No seu entender, há um "consenso maioritário prevalecente no seio dos partidos representados na AR sobre questões ligadas à luta contra discriminação de minorias étnicas - facto de que Portugal sempre se orgulha no plano externo e que lhe tem valido alguns encómios em fóruns multilaterais", pelo que "um silêncio da direção do PSD sobre estas declarações funcionaria como uma objetiva rutura desse consenso, deslocando o nome do partido para um terreno eticamente muito pouco cómodo".

Através do respetivo assessor de imprensa, o DN pediu uma reação a Pedro Passos Coelho. Por ora, sem resposta.

O melhor do MSN em qualquer dispositivo


AdChoices
AdChoices

Mais do Diário de Notícias

image beaconimage beaconimage beacon