Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Notícias de Ciência e Tecnologia

Aquecimento global poderá obrigar aviões a levarem menos passageiros e carga

Logótipo de ExpressoExpresso 14/07/2017 Alexandre Costa

A continuação do aquecimento global deverá criar restrições na descolagem de aviões nas próximas décadas, obrigando a que nos períodos de maior calor os aparelhos tenham de reduzir em cerca de 4% o peso da carga e dos passageiros, revela um estudo da Universidade de de Columbia divulgado na publicação “Climatic Change”.

O estudo refere que em aparelhos com capacidade para 160 passageiros, tal pode implicar que possam seguir a bordo menos 12 ou 13.

“Com ar mais fino, as asas geram menos ascensão quando o avião avança pela pista. Por isso, dependendo do modelo de avião, da extensão da pista, e de outros fatores, a certo ponto um avião cheio poderá não poder descolar em segurança se as temperaturas estiverem demasiado altas”, esclarecem os autores da investigação, indicando que esse problema levará a que “peso terá de ser largado, ou então o voo atrasado ou cancelado”.

A divulgação do estudo ocorre após no passado dia 20 de junho 43 aviões da American Airlines não terem podido descolar do aeroporto Phoenix Sky Harbor devido às temperaturas terem atingido os 49 graus celsius.

Aquecimento global poderá obrigar aviões a levarem menos passageiros e carga © Bruce Bennett/GETTY Aquecimento global poderá obrigar aviões a levarem menos passageiros e carga

A previsão é de que nos períodos de maior calor, entre 10 e 30% dos aviões carregados na sua capacidade máxima deixem de poder descolar. O problema será especialmente problemático para o tráfego aéreo durante as vagas de calor, em aparelhos com menor tolerância às temperaturas e em aeroportos com pistas mais curtas, em zonas mais quentes ou de maior altitude.

“As restrições de peso podem impor um custo não-trivial às companhias aéreas e ao impacto das operações na aviação em todo o mundo”, frisou Ethan Coffel, que conduziu o estudo. “Quanto mais depressa o clima for incorporado nos planos de médio e longo prazo, mais efetivos os esforços de adaptação podem ser”, acrescentou.

O estudo prevê que as temperaturas máximas diárias nos aeroportos de todo o mundo subam entre 4 a 8 graus célsius até 2080. Caso o aquecimento global seja mitigado, o problema terá também menor dimensão.

A subida do nível dos mares já está atualmente a ameaçar alguns aeroportos. Outras investigações já advertiram anteriormente que as mudanças climáticas podem aumentar perigosamente a turbulência e os ventos fortes levarem ao aumento do tempo de duração dos voos.

O melhor do MSN em qualquer dispositivo


Hernâni Carvalho faz descobertas polémicas em Pedrogão Grande

A SEGUIR
A SEGUIR

AdChoices
AdChoices

Mais do Expresso

image beaconimage beaconimage beacon