Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Nova era de descobertas científicas no CERN

O maior laboratório científico do mundo está a passar por uma profunda alteração para melhorar a capacidade de desvendar mistérios do nosso universo. Durante este período, todo o complexo do acelerador de partículas e os detetores do CERN serão aprimorados em termos de potência e qualidade das deteções. O mantra dos milhares de cientistas que trabalham no CERN: "estudar o infinitamente pequeno para entender o infinitamente grande". É por isso que uma das atividades primárias é esmagar partículas para estudar o segredo da matéria e as origens do universo. "Há muitas perguntas emocionantes e cruciais para as quais não sabemos a resposta. Do universo sombrio, 95% do universo é desconhecido, não sabemos para onde foi todo a matéria e muitas outras coisas. Se posso mencionar apenas uma coisa que gostaria de entender, é a composição da matéria escura. Seria ótimo, porque a nossa compreensão do universo melhoraria dos atuais 5% para 30%," revela diretora geral do CERN, Fabiola Gianotti. Entre os projetos para o futuro do CERN, há um plano para construir um novo colisor de 100 km de circunferência. O objetivo é ultrapassar os limites do conhecimento além do estabelecido pela descoberta, em 2012, do bosão de Higgs, a partícula que dá massa a toda a matéria que nos cerca. As novas máquinas poderão atuar como um portal que liga o mundo da matéria atómica comum, em que habitamos, com um mundo oculto de partículas que ainda são indetetáveis.
image beaconimage beaconimage beacon