Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Salário mínimo: de 286 a 2.000 euros na Europa... e Portugal está no fim da tabela

Logótipo de idealista idealista 08/11/2019 Redação
mohamed Hassan/Pixabay © mohamed Hassan/Pixabay mohamed Hassan/Pixabay

Portugal continua a ter um dos salários mínimos mais baixos da União Europeia (UE), apesar das atualizações dos últimos quatro anos, que elevaram a remuneração mínima em quase 19% em termos nominais. O salário mínimo dos europeus varia entre os 286,3 euros (Bulgária) e os 2071,10 euros (Luxemburgo).

Em causa está um estudo realizado pelo Gabinete de Estratégia e Planeamento do Ministério do Trabalho, apresentado recentemente, por ocasião dos 45 anos do salário mínimo. Segundo a Lusa, que se apoia no mesmo - apresenta valores nominais e ajustados a valores mensais (a 12 meses) e tendo em conta as diversas regras nos Estados-membros -, entre os 22 países europeus que atualizaram o salário mínimo em 2019 por via legislativa, Portugal surge na 12ª posição.

O salário mínimo em Portugal aumentou nos últimos quatro anos dos 505 euros, em 2016, para 600 euros em 2019, um aumento nominal de quase 19% e real (descontando a inflação) de 14%. De acordo com o documento, o país encontra-se “entre os países com o salário mínimo mais baixo quer da UE quer da Área do Euro”, sendo que “os recentes aumentos do salário mínimo não alteram a sua posição relativa” no ranking europeu.

O estudo permite concluir que o Luxemburgo está no topo da tabela, com um salário mínimo de 2.071,10 euros por mês, quase o triplo do português. Segue-se o Reino Unido (1.746,7 euros). Com valores acima dos 1.500 euros encontram-se ainda Irlanda, Holanda, Bélgica, Alemanha e França.

De referir que Portugal, cujo valor ajustado a 12 meses é de 700 euros, encontra-se ainda abaixo de Espanha (1.050 euros), Eslovénia (886,6 euros), Malta (762 euros) e Grécia (758,3 euros). 

Com valores inferiores ao do salário mínimo português estão países como Lituânia (555 euros), Estónia (540 euros) e Polónia (523,1 euros). Na cauda do ranking encontra-se a Bulgária (286,3 euros).

Dos 28 Estados-membros, 22 atualizaram o salário mínimo em 2019 por via legislativa ou por acordo intersetorial. Em seis países da UE – Itália, Chipre, Áustria, Dinamarca, Finlândia e Suécia – não existe um salário mínimo estatutário, aplicando-se aumentos fixados na contratação coletiva (setorial).

AdChoices
AdChoices

Mais do idealista

image beaconimage beaconimage beacon