Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Istambul fecha a porta a refugiados sírios

O medo da deportação paira sobre os refugiados sírios em Istambul no dia em que quem não têm documentos deverá abandonar a cidade. Abdurrahman é um dos que pode ficar. A sua família fugiu da guerra civil na Síria há seis anos e já montou aqui um restaurante. Vive mais seguro mas há questões que permanecem: "Já ouvi alguns turcos dizerem aos sírios: 'Porque é que não regressam à Síria para lutar pelo vosso país?' Mas eles não sabem nada sobre a Síria, eles não conhecem o regime sírio", desabafa Abdurrahman. Sondagens sugerem que a maioria dos cidadãos turcos quer que os sírios voltem para casa. Analistas dizem que a economia, em dificuldades, endureceu a sua atitude em relação a estes refugiados. O ressentimento do cidadão turco já levou a ataques contra lojas sírias. A situação complica-se e o governo turco decidiu que quem não está registado deve deixar Istambul, a maior cidade do país. Deverão partir para outras localidades turcas, Mas há acusações, que o executivo nega, de que uma parte foi enviada de volta à Síria. A decisão foi tomada um mês depois de o partido do presidente turco ter perdido as eleições autárquicas em Istambul, uma grande derrota para Recep Tayyip Erdoğan. Críticos do governo dizem que os sírios estão a ser usados como bodes expiatórios. "Acho que o governo turco acredita que a derrota nas eleições locais foi impulsionada, principalmente, por uma reação contra os refugiados sírios e mudanças, nas políticas em relação a eles, são vistas como uma solução rápida", afirma Aykan Erdemir ex-deputado do CHP e membro sénior da Fundação para a Defesa das Democracias. Abdurrahman critica esta forma de reagir aos resultados eleitorais: "Esse homem, que estão a mandar embora de Istambul, aquele que tem uma família e filhos, é culpado de quê? Ele só quer sustentar a sua família, apoiá-la".
image beaconimage beaconimage beacon