Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Oposição confirma conquista do poder em Istambul

À segunda foi de vez, o partido do Presidente da Turquia Recep Tayyip Erdogan foi afastado da câmara de Istambul depois de um quarto de século no poder naquela que é a maior cidade do país. Num escrutínio repetido por causa de alegadas irregularidades denunciadas pelo AKP de Erdogan, face a uma derrota por 13 mil votos no escrutínio de março, o partido republicano popular, CHP, de Ekrem Imamoglu não deixou margem para duvidas ao vencer desta vez com mais de 800 mil votos. No discurso da vitória, o candidato Ekrem Imamoglu apelou à união. Há quem diga ser o ponto de viragem no domínio político dos conservadores pro-islâmicos no país. "Vai haver democracia em Istambul - unidade e fraternidade. Tudo vai ser grande e todos vão ver isso. Os apoiantes do AKP também vão ver isso e acreditar em Imamoglu", diz uma apoiante. O antigo primeiro-ministro de Erdogan, Binali Yildirim, candidato derrotado, concedeu a vitória ao adversário e explicou que o resultado demonstra que existe democracia na Turquia. O homem forte do país, Erdogan, nas rédeas do poder desde 2003, e ele próprio antigo presidente da câmara de Istambul, também assumiu, no Twitter, a derrota o seu partido. Com apenas 45% contra 54% dos votos do vencedor, Erdogan e o AKP perderam apoio nalguns feudos islâmico conservadores de Istambul. Os militantes do partido estão dececionados mas não culpam o seu líder. "Estamos muito aborrecidos por causa do resultado eleitoral. Claro que a principal razão foi o facto das instituições do AKP não terem funcionado", diz um homem. Com uma economia e as finanças da Turquia em apuros, há quem veja este ser o início da erosão do AKP, no poder há vários anos, com uma governação conhecida por controversos momentos, não só políticos, mas também sociais, como o Estado de emergência decretado após a tentativa de golpe de 2016, que originou a suspensão de direitos civis e constitucionais dos cidadãos e importantes purgas em diversos setores da sociedade. O Presidente tem ainda muito tempo para inverter tendências. As eleições nacionais estão agendadas para dentro de quatro anos.
image beaconimage beaconimage beacon