Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Notícias de Saúde e Bem-estar

As lesões mais comuns em 8 modalidades e como evitá-las

Logótipo de VisaoVisao 19/06/2017 Sara Sá (texto) Manuela Tomé (ilustração)

Uma inteira passada à secretária. Almoço completo no restaurante ao pé do escritório, onde a sobremesa não pode faltar.

Duas horas de carro por dia, no para-arranca. Stresse. À sexta-feira é a desforra. A antecipar a liberdade do fim de semana, os rapazes encontram-se para uma futebolada, em que vale tudo arrancar olhos. Até ao dia em que o menisco cede.

“Cada pessoa tem de perceber os seus limites, que estão muito relacionados com a idade. E não se pode passar do zero ao 80 em pouco tempo”, alerta Raul Oliveira, professor da Faculdade de Motricidade Humana.

O fisioterapeuta e investigador é um praticante inveterado de desporto. Em jovem, andou pelas modalidades coletivas. Hoje, o seu dia começa sempre por uma caminhada, corrida ou passeio de bicicleta, que por vezes acabam num mergulho no mar. Esta adaptação ao exercício físico é fundamental na prevenção de lesões, como as traumáticas, mais comuns nos desportos coletivos – uma pancada, um movimento brusco, que a pessoa consegue situar o tempo. Quem não se lembra do choro de Cristiano Ronaldo quando levou uma joelhada de um jogador francês, na final do campeonato europeu?

Há outro tipo de lesões, de evolução progressiva, que resultam da sobrecarga, do excesso de treino, da adoção de posições erradas e do processo natural de envelhecimento. “No início, quando surgem os primeiros sinais, basta descansar para a lesão desaparecer”, nota o fisioterapeuta.

A atividade física promove a formação de novo osso – esta é apenas uma das muitas vantagens de nos mexermos. Mas, para que este processo de formação se consolide, é fundamental que haja tempos de descanso, ciclos de carga e de descarga. “Quando não dá tempo, entre os treinos, de formar novo osso, acontecem as fraturas de fadiga.” E aqui temos como exemplo o caso de Nélson Évora, com a fratura da tíbia, que quase o afastou de vez do atletismo. Se as lesões traumáticas são imprevisíveis, as de sobrecarga podem ser prevenidas.

Além do descanso, é importante não começar uma atividade física bruscamente, sem preparação. “Já sei que no Carnaval e na Páscoa começo a receber no consultório pessoas com lesões no joelho, da neve.

Estão o ano todo sem fazer qualquer atividade física, não têm experiência de esqui, e depois passam uma semana inteira nas pistas”, justifica. “É preciso adequar a intensidade do desporto às características da pessoa. E prestar atenção aos sinais que o corpo dá. O descanso é o melhor anti-inflamatório que existe.” Dito isto, reforça: “Qualquer atividade tem riscos. Mas não fazer nada, tem riscos ainda maiores.”

Ténis

LESÃO MAIS COMUM:

O “cotovelo do tenista” é uma espécie de assombração que aterroriza os profissionais da modalidade, mas também os amadores. Até mesmo os não praticantes podem receber um diagnóstico destes, já que a expressão passou a designar uma lesão nos músculos ou tendões à volta do cotovelo.

Nos tenistas, dois terços dos casos surgem devido à sobrecarga – muitas horas de raqueta na mão. Os restantes casos aparecem devido a um episódio traumático.

“Nos amadores, aparece sobretudo quando à sobrecarga se associa

uma deficiente preparação física e uma técnica pouco apurada.

PREVENÇÃO: A forma mais eficaz é alongar e reforçar os músculos dos braços, além de aquecer antes de começar a jogar. Adotar a posição correta de pega na raqueta e de movimento do braço também minimiza os riscos.

Visão Visão Visão 1

Golf

LESÃO MAIS COMUM: Parece um desporto fácil, mas o swing, exercício gracioso que produz uma boa tacada, exige um movimento complexo da coluna, que pode resultar em lesões das costas, ombros e cotovelos. Nos amadores, aparecem porque o movimento não é feito como deve ser, nos profissionais, porque o fazem muitas vezes. A percentagem de lesões está diretamente relacionada com o número de tacadas por semana.

A dor lombar, ou lombalgia, é a principal aflição. Mas lesões nos ombros e cotovelos também ocorrem com frequência.

PREVENÇÃO; É muito importante parar aos primeiros sinais de traumatismo, para não agravar a lesão. Nunca esquecer de aquecer/alongar – a flexibilidade é um elemento crucial neste desporto. Um estudo americano concluiu que 80% dos praticantes passam menos de dez minutos a aquecer.

Também é fundamental não começar a jogar sem orientação de um profissional.

Visão Visão Visão 1

Corrida

LESÃO MAIS COMUM: Dados americanos indicam que 55% de todas as lesões relacionadas com o desporto e um quarto dos problemas tratados por cirurgiões ortopédicos estão relacionados com o “joelho de corredor”: dor no joelho, na articulação entre a rótula e o fémur, sendo a rotura de ligamentos e da cartilagem os problemas mais comuns. Acontecem normalmente por sobrecarga – corridas demasiado longas, muitos quilómetros por semana, sem tempos de descanso adequados. O que provoca uma irritação do tendão por baixo da rótula. O “joelho do corredor” também pode ser devido ao desgaste da região por baixo da rótula. Pequenas contusões antigas podem igualmente sofrer um agravamento pelo esforço intenso da corrida.

Outra lesão relativamente comum é a canelite (também conhecida pela expressão em inglês “shin splints”): inflamação do músculo que rodeia a canela. Normalmente resulta de um aumento muito rápido da intensidade do treino, calçado desadequado e corridas em piso duro.

PREVENÇÃO: Usar calçado indicado para corrida e para o seu tipo de passada, e substitui-lo antes que fique gasto. Adotar a posição de corrida certa. Deve-se correr em superfícies macias, como pistas interiores, em vez de piso duro. É também Importante reforçar os quadríceps, com trabalho de pesos e descansar entre treinos. Sempre que sentir dor, descanse pelo menos dois dias, e aplique gelo.

Visão Visão Visão 1

Ciclismo

LESÃO MAIS COMUM: Dores no pescoço e nos joelhos são as principais queixas dos amantes das bicicletas. Nesta atividade, a bicicleta torna-se uma extensão do corpo, e toda a força exercida no equipamento é devolvida aos membros, concentrada nos pés assentes nos pedais, nas nádegas e nos pulsos.

Tendinite na rótula ou no músculo femoral, o quadricípede, podem resultar da sobrecarga ou ainda de uma incorreta posição em cima da bicicleta. Dor no pescoço é uma queixa habitual, também.

Nos homens que andam muitas horas em cima da bicicleta, ocorrem problemas urogenitais, com uma espécie de dormência ou dor na zona genital e do reto.

PREVENÇÃO: É importante reforçar a musculatura, sobretudo para quem pretende fazer grandes distâncias, já que o ciclismo pode causar algum desequilíbrio muscular.

Alongamentos do pescoço ajudam a aliviar a tensão.

Visão Visão Visão 1

Musculação

LESÃO MAIS COMUM: Todos quantos frequentam os ginásios, sobretudo a sala das máquinas, procuram tonificar, definir e substituir a massa gorda por músculo. Mas, se os objetivos forem demasiado ambiciosos e desajustados, podem surgir roturas musculares, por excesso de carga, e hérnia discal, sendo esta a lesão mais comum. Acontece pelo acumular de carga, ao longo do tempo, em posição incorreta. Quando se exagera no peso, o corpo tem a tendência para compensar, o que provoca desequilíbrio na distribuição das tensões.

PREVENÇÃO: Ajustar sempre o peso à sua idade e compleição física.

Treinar os músculos abdominais, responsáveis pelo suporte da coluna e mantê-los ativados sempre que se esteja a levantar pesos. Manter a curvatura da coluna – coluna em S – é crucial para evitar as hérnias.

Visão Visão Visão 1

Futebol

LESÃO MAIS COMUM: No desporto-rei, as lesões mais comuns ocorrem nas extremidades inferiores. Podem resultar de um traumatismo, como um pontapé ou uma rotação no joelho. Ou de sobrecarga, afetando músculo, tendão ou osso. As entorses (que envolvem quase sempre lesões de ligamentos) são os problemas mais comuns. A rotura do ligamento cruzadoanterior, envolvido na estabilidade durante os movimentos de rotação do joelho, representa, muitas vezes, o fim da carreira futebolística – seja profissional seja amadora. Entre 70% e 90% das lesões deste ligamento acontecem sem que tenha havido qualquer contacto direto. Além do futebol, também são comuns no basquetebol, voleibol e esqui, desportos em que há desaceleração e mudança brusca de direção.

PREVENÇÃO: Faz-se tendo muita atenção aos alongamentos e ainda pelo fortalecimento dos músculos das pernas. Chuteiras com pitões também são desaconselhadas.

Visão Visão Visão 1

Natação

As lesões mais comuns em 8 modalidades e como evitá-las © Dean Mouhtaropoulos - Velo As lesões mais comuns em 8 modalidades e como evitá-las

LESÃO MAIS COMUM: Mesmo este desporto de baixo impacto, aconselhado a grávidas, idosos e até pessoas com traumatismos prévios, pode causar lesões. Demasiadas horas de treino, sobretudo no estilo bruços, e falhas na técnica podem acabar por afetar a articulação dos ombros. Traduz-se em inflamação do tendão dos bíceps e instabilidade do ombro, em que as estruturas que rodeiam a articulação deixam de conseguir manter a bola dentro da sua cavidade.

PREVENÇÃO: É muito importante ter uma boa técnica, que deve ser respeitada em cada braçada – com o cansaço, há a tentação de descuidar o rigor dos movimentos.

Variar os estilos também ajuda a minimizar os riscos de lesão.

Visão Visão Visão 1

Surf

LESÃO MAIS COMUM: Parece o desporto ideal e faz sonhar todos aqueles que observam, em terra, os pontos pretos que flutuam sobre as ondas. Mas horas e horas a remar contra as vagas podem deixar marcas dolorosas. Ombro e coluna cervical e lombar são as partes do corpo mais castigadas, em consequência da repetição exaustiva do gesto de remada, num ambiente imprevisível, em que o corpo está sujeito a grande tensão. Nos iniciados, aparece sobretudo por excesso de horas na água, por vezes em posições incorretas.

Nos mais velhos, costuma ser consequência direta das alterações degenerativas do corpo, associadas à idade.

PREVENÇÃO: Os surfistas, na pressa de entrarem na água, têm a tentação de saltar o aquecimento/alongamentos.

Mas este processo é essencial para evitar dissabores.

Também é essencial seguir uma boa técnica e dar descanso ao corpo.

AdChoices
AdChoices

Mais do Visao

image beaconimage beaconimage beacon