Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Notícias de Saúde e Bem-estar

Avós alimentam demais os netos?

Logótipo de Pais&filhos Pais&filhos 19/05/2017 buzina@motorpress.pt (Motorpress Lisboa)
Avós alimentam demais os netos? © Fornecido por Motorpress Lisboa Avós alimentam demais os netos?

Para muitos avós, as crianças podem sempre comer mais qualquer coisa e não é raro ouvi-los dizer que os netos “estão muito magrinhos”. Mas será que, sendo-lhes dada a oportunidade, o avô ou a avó dão alimentos em excesso aos mais novos? Certamente, afirmam cientistas da Universidade de Birmingham (Reino Unido), para quem quanto mais próximos forem os laços emocionais e físicos, maior é o risco de excesso de peso na infância.

Os pesquisadores avaliaram dados estatísticos obtidos na região de Guangzhou, no Sul da China, tradicionalmente conhecida pelo facto de valorizar a obesidade infantil, como um sinal de riqueza, prosperidade e sucesso da família. As conclusões mostraram que as crianças que vivem com os avós, ou nas proximidades, tendem a apresentar mais excesso de peso, dado que lhes é dada maior quantidade de comida - e opções mais calóricas ou com mais gordura e açúcar - do que no caso das refeições feitas na escola ou preparadas na família nuclear, ou seja, sob a supervisão do pai e da mãe.

E, embora este trabalho académico se centre na realidade chinesa, os pesquisadores têm vindo a extrapolar os dados obtidos para outros países e ambientes socioculturais, concluindo que a alimentação é, muito frequentemente, uma expressão de afeto para as gerações mais velhas. “Mimar os netos passa por lhes dar o que querem, incluindo os alimentos preferidos em quantidades, muitas vezes, exageradas”, considera o professor catedrático Bai Li. “Quando isso acontece pontualmente, não há grande problema, mas os riscos para a saúde metabólica aumentam significativamente se é uma situação frequente ou quotidiana”.

Leia também:

Avós do século XXI

Abaixo os avós! E já!!!

Avós para sempre

(fonte: Pais e Filhos)

AdChoices
AdChoices

Mais da Pais&filhos

image beaconimage beaconimage beacon