Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Em 2017 gastámos 13 milhões em vitamina D, o dobro do ano anterior

Logótipo de Expresso Expresso 20/10/2018 Expresso
Em 2017 gastámos 13 milhões em vitamina D, o dobro do ano anterior © Yasser Al-Zayyat/AFP/Getty Em 2017 gastámos 13 milhões em vitamina D, o dobro do ano anterior

Das duas uma: ou os médicos estão a prescrever mais medicamentos contendo vitamina D ou os portugueses os consomem em maior quantidade, mesmo sem receita médica. O facto é que, em 2017, os portugueses gastaram 13,4 milhões de euros em suplementos deste tipo, o dobro do que no ano anterior. A tendência não é nova, uma vez que, entre 2014 e 2016, essas vendas tinham quintuplicado em Portugal, um dos países da Europa com maior exposição solar — fator determinante para sintetizar os nutrientes.

Os dados são da Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed), citados este sábado pelo jornal “Público”, e revelam também uma comparticipação do SNS na ordem dos 3,6 milhões. Segundo este organismo, as normas de orientação clínica para regular a prescrição de vitamina D estão a ser finalizadas — embora para esse fim exista pelo menos uma norma, surgida em 2008, que aconselha a medicação com cálcio e vitamina D a pessoas com mais de 65 anos e mulheres em pós-menopausa. Sabe-se, porém, que foram já instaurados quatro processos de contra-ordenação, sobre os quais o Infarmed não se pronuncia.

O défice de vitamina D é um assunto que está, desde abril de 2017, a ser investigado conjuntamente pelo Infarmed, a Direção-Geral de Saúde e o Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge. Nessa mesma altura, tinham surgido dois estudos que, apesar de se basearem nas mesmas amostras sanguíneas, chegavam a resultados muito diferentes.

Um deles, da Universidade Nova de Lisboa, observou a existência de um défice de vitamina D de 15,7% em mulheres acima dos 65 anos, enquanto a pesquisa do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra indicava um valor exponencialmente mais elevado: 71,7%. No fim de semana passado, esta instituição voltou a apresentar um estudo segundo o qual dois terços dos portugueses sofrem de carência de vitamina D.

AdChoices
AdChoices

Mais de Expresso

image beaconimage beaconimage beacon