Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Idade de entrada na escola é determinante

Logótipo de Pais&filhos Pais&filhos 19/05/2017 buzina@motorpress.pt (Motorpress Lisboa)
alt © Fornecido por MOTORPRESS LISBOA, Edição e Distribuição, Lda. alt

Uma equipa de investigadores da Universidade de Berkeley, na Califórnia (EUA) conduziu um estudo que parece indicar que o primeiro ano na primária faz melhorar as competências de atenção das crianças que iniciam o percurso escolar mais cedo. O trabalho demonstrou que aqueles alunos revelam ser menos impulsivos e mais focados do que crianças da mesma idade em ambiente de pré-escola.

O estudo comparou crianças de cinco anos que tinham entrado mais cedo para a escola e outras da mesma idade que frequentavam o infantário, num total de 62 alunos. Para avaliarem o desempenho cognitivo das crianças, os investigadores efetuaram exames de imagem por ressonância magnética funcional ao cérebro e conduziram testes computorizados, no início e no fim dos anos letivos.

A comparação dos testes dos dois grupos revelou que as crianças que tinham entrado mais cedo na escola primária apresentavam um maior desenvolvimento na capacidade de concentração e de respeito pelas regras. Em paralelo, durante as tarefas que requeriam atenção, os alunos da escola primária tinham o lobo parietal direito (relacionado com a capacidade de atenção e outras competências cognitivas) mais ativo.

Citada pelo portal “Alert”, Silvia Bunge, coautora do estudo, comentou que “estes resultados demonstram pela primeira vez que o contexto ambiental molda o desenvolvimento de mecanismos cerebrais” na altura de transição escolar. A equipa estima que um contexto educacional controlado, em que as crianças têm que aprender a permanecer sentadas, a seguir instruções e a evitar distrações, poderá fomentar algumas competências cognitivas.

No entanto, “estes resultados não devem ser interpretados como querendo dizer que o ambiente da escola primária seja necessariamente melhor do que a educação pré-escolar baseada na brincadeira para o desenvolvimento das crianças pequenas”, ressalvou a investigadora.

Leia também:

Daltonismo: Cores de pernas para o ar

O que dizem os desenhos do seu filho?

As crianças populares

(fonte: Pais e Filhos)

AdChoices
AdChoices

Mais da Pais&filhos

image beaconimage beaconimage beacon