Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Health & Fitness - Top Stories - Notícias de Saúde e Bem-estar

Pessoas com esta característica física têm maior risco de diabetes

Logótipo de Notícias ao Minuto Notícias ao Minuto 11/09/2019 Liliana Lopes Monteiro

A diabetes já é considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como a nova epidemia do século XXI – juntamente com a obesidade e a depressão. E agora um novo estudo alerta que pessoas de estatura baixa apresentam uma maior propensão para desenvolverem a patologia.

A diabetes já é considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como a nova epidemia do século XXI – juntamente com a obesidade e a depressão. E agora um novo estudo alerta que pessoas de estatura baixa apresentam uma maior propensão para desenvolverem a patologia. © iStock A diabetes já é considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como a nova epidemia do século XXI – juntamente com a obesidade e a depressão. E agora um novo estudo alerta que pessoas de estatura baixa apresentam uma maior propensão para desenvolverem a patologia.

Pessoas baixas têm um maior risco de sofrerem de diabetes de tipo 2, comparativamente a indivíduos altos.

Uma pesquisa alemã apurou que o risco da doença é 41% menor para os homens e 33% menor para as mulheres, por cada 10 centímetros de altura.

Os autores do estudo, que incluem o médico Clemens Wittenbecher e o professor Matthias Schulze do instituto alemão de Nutrição Humana em Potsdam-Rehbruecke, afirmaram que os dados apurados apontam que a altura pode ser utilizada como um “marcador preditivo” relativamente ao risco de diabetes.

E afirmaram: “Apurámos que há uma associação inversa entre altura e a chance de diabetes de tipo 2 entre os homens e as mulheres, e que é particularmente notável no comprimento das pernas nos indivíduos do sexo masculino”.

“Parte desta associação inversa pode ser potencializada por uma relação entre estatura mais elevada com um menor índice de gordura no fígado e a um perfil cardiometabólico mais favorável, sobretudo de células gordas, adiponectina e de proteína C reativa”.

O estudo foi publicado na revista científica Diabetologia, o periódico da Associação Europeia para o Estudo da Diabetes, segunda-feira, dia 9 de setembro.

Os investigadores recorreram a dados de 2,500 indivíduos obtidos através do estudo da Investigação Europeia sobre o Futuro do Cancro e da Nutrição, que por sua vez incluiu mais de 27 mil participantes.

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pelo terceiro ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas 2019 para Imprensa Online. Descarregue a nossa App gratuita para iOS e Android

AdChoices
AdChoices

Mais do Notícias ao Minuto

image beaconimage beaconimage beacon