Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Health & Fitness - Top Stories - Notícias de Saúde e Bem-estar

Ingerir suplementos de colagénio é a nova tendência (e ciência diz ‘!?’)

Logótipo de Notícias ao Minuto Notícias ao Minuto 16/05/2018 Liliana Lopes Monteiro
A utilização de cremes anti-idade, a busca por procedimentos estéticos como as injeções de botox ou a realização de cirurgias plásticas já não é suficiente… Queremos mais. E o colagénio é para muitos a nova fórmula ‘mágica’, numa demanda milenar pela juventude eterna, mas será que funciona mesmo?: Ingerir suplementos de colagénio é a nova tendência (e ciência diz ‘!?’) © iStock Ingerir suplementos de colagénio é a nova tendência (e ciência diz ‘!?’)

Consumir colagénio em comprimidos ou em pó é a nova tendência, quando o tema são os super alimentos.

Durante algum tempo o suplemento tornou-se popular sobretudo para quem adotava a dieta paleo, porém e mais recentemente o tecido ósseo dissecado está a tornar-se um ingrediente extremamente popular, que pode ser encontrado em inúmeros snacks e bebidas.

E não pense que se trata de um pequeno nicho do mercado. Existem atualmente cerca de 300 produtos à venda em lojas e em supermercados que garantem conter aditivos de colagénio. E estima-se que apenas nos Estados Unidos a venda destes produtos tenha totalizado o valor de 60 mil milhões de euros, só em 2017.

Mas o que se passa afinal?

Como todas as modas alimentares, a verdade é algo difícil de desvendar, mas é isto que precisa de saber.

O colagénio é uma substância que consiste num grupo de proteínas estruturais fibrosas que mantém os tecidos do corpo unidos, e encontra-se em todo o lado, desde a pele, aos tendões ou aos ossos.

Sendo uma proteína, o corpo produz esse elemento juntando as unidades de aminoácidos em longas correntes.

Caso coma carne regularmente, então já é muito provável que esteja a ingerir a quantidade apropriada destes aminoácidos. O corpo absorve o colagénio que chega ao intestino e reutiliza os seus compostos para produzir mais proteínas de diferentes formas e variedades.

Já as plantas não geram proteína, mas ainda assim fornecessem os blocos necessários para a sua produção por parte do organismo.

Tal como o consumo de qualquer outro tipo de suplemento, ingerir mais nutrientes na esperança de beneficiar dos seus benefícios equivale a pensar que se produzem mais carros se simplesmente se largarem peças aleatórias de motores na linha de montagem. O que não faz muito sentido, certo?

A querela resume-se à questão se de facto o problema – incluindo o envelhecimento da pele ou o enfraquecimento das circulações – é provocado pela falta desses blocos de aminoácidos na ‘linha de produção celular’, ou se se trata de algo mais.

E é aqui que o assunto se complica. A comunidade científica crê que para a maioria das pessoas, ingerir colagénio não surta grandes resultados. O corpo humano evoluiu devido à variedade relativamente reduzida de nutrientes presentes nos alimentos que compõe a dieta (incluindo as ‘más’ dietas atuais), e por isso a probabilidade é que já esteja bem abastecido de aminoácidos.

Contudo, tal não significa que não haja um número significativo de pessoas que possam deveras beneficiar nos seus regimes alimentares com o consumo de mais alguns blocos produtores de colagénio.

Um estudo publicado em 2014, detetou uma diferença significativa na elasticidade da pele de um grupo de mulheres, na casa dos 50 anos, que adicionaram uns gramas de colagénio à sua dieta, diariamente durante dois meses.

Já no ano passado, um outro estudo realizado em ratos de laboratório detetou também alguns potenciais benefícios .

Mas antes que confunda alguns resultados positivos com uma total autorização para se abastecer com estes suplementos, pense outra vez.

A verdade é que não existem ainda dados robustos que justifiquem a toma de colagénio. E mesmo tendo em conta o melhor cenário possível, quem ingere esses suplementos não verá de certo um retorno financeiro do seu investimento.

Todavia, se está ‘vendido’ na ideia e se está determinado a manter-se para ‘sempre jovem’ então tente, mal não lhe irá fazer e não tem nada a perder… quer dizer apenas uns trocos.

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor. Descarregue a nossa App gratuita para iPhone, iPad e Android

iOS e Android

AdChoices
AdChoices

Mais do Notícias ao Minuto

image beaconimage beaconimage beacon