Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Health & Fitness - Top Stories - Notícias de Saúde e Bem-estar

Pessoas mais preguiçosas são mais inteligentes (sim, sim... relaxe)

Logótipo de Notícias ao Minuto Notícias ao Minuto 16/04/2018 Liliana Lopes Monteiro
De acordo com um novo estudo, pessoas com maior capacidade cognitiva também estão mais predispostas a passar os dias simplesmente a relaxar, por exemplo no sofá ou na esplanada, em vez de praticarem exercício físico.: Pessoas mais preguiçosas são mais inteligentes (sim, sim... relaxe) © iStock Pessoas mais preguiçosas são mais inteligentes (sim, sim... relaxe)

O novo estudo publicado no Journal of Health Psychology, indica que quem prefere não passar a maioria do tempo a pensar ou a entreter dilemas mentais tende a ser mais fisicamente ativo, as pessoas mais inteligentes preferem exercitar a mente e não o corpo.

Os investigadores analisaram os níveis de atividade física de 60 alunos, divididos previamente em dois grupos: aqueles que necessitavam de altos níveis de cognição (NFC) e outros que não. Os autores do estudo caraterizaram NFC como “uma tendência para participar e apreciar tarefas cognitivas mais exigentes”.

Por exemplo, indivíduos que gostam de fazer puzzles mais complexos, geralmente têm um NFC mais elevado, explicou Todd McElroy, professor na Universidade Florida Gulf Coast e um dos coordenadores daquele projeto de investigação. Já quem dá preferência a tarefas mais mundanas, que não estimulam tanto a mente, têm um NFC mais reduzido.

Durante uma semana, os indivíduos foram monitorizados eletronicamente através de um aparelho que lhes foi colocado no pulso e que media a sua atividade física a cada 30 segundos.

O estudo recolheu aproximadamente 20 mil dados informativos relativamente a cada voluntário. Segundo McElroy quando comparam os níveis de atividade, ou falta deles, em ambos os grupos, os investigadores detetaram diferenças substanciais: o grupo com menores níveis de NFC mexia-se em média mais, diariamente, comparativamente ao grupo caraterizado por índices elevados de NFC.

De acordo com o professor uma das principais inferências a reter é o facto do estudo contrariar a perceção negativa do ‘não fazer nada’. “Só porque alguém parece ser preguiçoso ou aquilo que as pessoas chamam de ‘preguiçoso’, não quer dizer que mentalmente não esteja a trabalhar meticulosa e arduamente”.

McElroy aponta a necessidade de pesquisas adicionais que abordem e investiguem o que de facto as pessoas fazem quando não estão a ser fisicamente ativas.

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor. Descarregue a nossa App gratuita para iPhone, iPad e Android

iOS e Android

AdChoices
AdChoices

Mais do Notícias ao Minuto

image beaconimage beaconimage beacon