Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Notícias de Saúde e Bem-estar

Isto é o que acontece quando não toma o pequeno-almoço

Logótipo de Move Notícias Move Notícias há 5 dias Redação
não comer ao pequeno-almoço © MoveNotícias não comer ao pequeno-almoço

Já se sabe que é a refeição mais importante do dia, mas segundo um estudo publicado no ‘American Journal of Clinical Nutrition’ percebe-se bem porquê.

Os pesquisadores apontaram que o hábito de saltar a primeira refeição do dia pode aumentar as hipóteses de inflamações e resistência à insulina, favorecendo o risco de obesidade e diabetes tipo 2, fatores associados à síndrome metabólica.

A equipa da Universidade de Honenheim, na Alemanha, testou 17 adultos saudáveis em três situações diferentes: um dia em que saltaram o pequeno-almoço, um dia em que saltaram o jantar e outro dia em que tiveram as três refeições diárias normalmente.

Apesar das mudanças, a quantidade de carboidratos, proteínas e gorduras nos três dias foi a mesma. Nos dias em que saltaram refeições, as outras duas tiveram calorias extras para compensar.

A cada dia, amostras de sangue eram coletadas, entre o período das 07h00 e as 21h00, para medir os níveis hormonais, concentrações de glicose e insulina e a atividade do sistema imunológico.

Os resultados mostraram que as pessoas queimavam mais calorias num período de 24 horas quando não almoçavam (41 calorias) ou não jantavam (91 calorias), comprovando estudos anteriores.

Já os níveis de glicose e insulina não mostraram divergências entre os três dias. No entanto, as concentrações de glicose, atividade inflamatória e resistência insulínica eram mais altas quando os participantes não almoçavam ou não tomavam o pequeno-almoço.

Embora as pessoas tenham queimado mais as reservas de gordura já existentes nos dias em que saltavam a primeira refeição, o que pode parecer positivo, há no entanto desvantagens a longo prazo.

A prática pode, por exemplo, prejudicar a flexibilidade metabólica, ou seja a capacidade do corpo de alternar entre a queima de gordura e carboidratos, aumentando as hipóteses de inflamações e o desequilíbrio de glicose no sangue.

Como a inflamação crónica é conhecida por afetar a sensibilidade à insulina, ignorar o pequeno-almoço pode contribuir para o comprometimento do metabolismo, o que teria o potencial de aumentar o risco de obesidade e diabetes tipo 2.

Mas, de acordo com os especialistas, ainda são necessários outros estudos para avaliar o impacto do pequeno-almoço no funcionamento do metabolismo.

AdChoices
AdChoices

Mais de Move Notícias

image beaconimage beaconimage beacon