Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Os males crónicos do turismo búlgaro

Já com o verão a convidar ao turismo e a fazer movimentar importantes setores económicos, a Bulgária aparenta estar com dificuldades acrescidas para atrair turistas. Para lá do medo da Covid-19, países vizinhos nos Balcãs atraem a maior parte dos turistas. Como é hábito, mais de um terço dos búlgaros tenciona passar as férias de verão no estrangeiro. Valentin, búlgaro, foi um dos primeiros a optar por fazer férias na Grécia e na Turquia em vez de preferir o seu país. Depois foi uma questão de tempo, para a família e amigos fazerem o mesmo. Valetin diz não se arrepender. "Há sempre qualquer coisa de desagradável nos "resorts" búlgaros. E foram sempre muito caros, as praias sempre foram muito caras, a comida era cara, as férias aqui deixavam sempre muito a desejar", diz. Os locais ainda pouco explorados da Bulgária estão tornar-se mais raros. Há cada vez mais hotéis e os resorts começam a preencher a costa do país. Os búlgaros aparentam estar preocupados com o que dizem ser "um mar de cimento". "Este tipo de construção ao longo do mar negro é um dos motivos pelos quais os búlgaros preferem passar férias noutro lado. Parece ser um hotel, mas oficialmente não é. É um reforço contra o deslizamento de terras", explica o jornalista da Euronews, Damian Vodenitcharov. Os investidores arranjam formas criativas de verem os seus projetos aprovados. O hotel em forma de barreira de proteção contra o deslizamento de terras é um exemplo. E a procura por áreas de construção aumenta. Em Sozopol há vários empreendimentos prestes a arrancarem. "A vila de Alepu consiste em quatro projetos. Existem 19 planos adicionais de desenvolvimento onde a terra agrícola foi transformada em terreno urbanizável. Ainda não estão concluídos mas estarão a qualquer momento", revela a arquiteta, Radost Georgieva. A oposição à construção de novos empreendimentos turísticos surge essencialmente do receio de que locais paradisíacos se possam tornam em centro de turismo de massas. Mas para já, a procura parece não ser muita.

A SEGUIR

A SEGUIR

image beaconimage beaconimage beacon