Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Tamimi: palestiniana de 17 anos julgada à porta fechada

A adolescente palestiniana filmada a agredir dois soldados israelitas começou a ser julgada, esta terça-feira, à porta fechada. Uma decisão que o Estado hebraico justifica com a necessidade de "proteger" a menor e já criticada pela defesa de Ahed Tamimi, a jovem de 17 anos que se transformou num símbolo palestiniano contra a ocupação israelita. "Os isrealitas sabem que as pessoas que se encontram junto ao tribunal militar estão interessadas neste caso. Desde logo, porque sabem que há direitos que foram violados e que este julgamento não devia sequer ter lugar. Por isso, para limitar o impacto junto da opinião pública, as pessoas foram afastadas e as sessões estão a decorrer à porta fechada" refere Gaby Lasky, advogada de Tamimi. A Amnistia Internacional apelou à libertação de Tamimi. Lembrou que Israel é um dos países signatários da Convenção de Direitos da Criança e que "a detenção é uma medida de último recurso." De acordo com a organização, pelo menos 350 crianças ou adolescentes palestinianos encontram-se, atualmente, presos. Detida em meados de dezembro, a Tamimi responde por 12 acusações. A jovem tornou-se mundialmente conhecida em dezembro devido um vídeo divulgado nas redes sociais, mas há muito que luta contra a ocupação israelita na aldeia onde vive em Nabi Saleh. Um outro vídeo divulgado em 2012 já lhe tinha valido o Prémio Handala para a Coragem atribuído, na altura, por Ancara.
image beaconimage beaconimage beacon