Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Senador propõe que quem mentir no currículo deve ser preso e multado

Logotipo do(a) Você S/A Você S/A 12/06/2019 Tamires Vitorio
Currículos: © foto/Thinkstock Currículos:

São Paulo —Currículos de pessoas públicas no Brasil têm gerado desconfiança nos últimos meses. O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, por exemplo, informou que tinha feito parte de seu curso de doutorado na universidade americana de Harvard — ele ainda está cursando Universidade Federal Fluminense (UFF) e não saiu do Brasil para estudar —, e o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmou que era mestre em direito público pela Universidade de Yale, onde não esteve como aluno. Fora da política, a professora Joana D’Arc teria apresentado um diploma falso, também de Harvard.

Eles não estão sozinhos nessa: segundo um levantamento feito pela DNA Outplacement com base em 6 mil currículos, 75% dos brasileiros mentem na hora de redigir o CV. 

Para evitar que situações como essa continuem a acontecer não só no mercado de trabalho, mas também na esfera pública, o senador Jorge Kajuru (PSB/GO) propôs, em um Projeto de Lei, que quem mentir no currículo deverá ser penalizado com multa e reclusão de dois a seis anos. Para servidores públicos, a pena deve ser aumentada em um sexto.  

“Esse projeto de lei visa tipificar e criminalizar os agentes que se beneficiam de falsos títulos acadêmicos, sejam eles mostrados, falados ou insinuados, de forma a induzir ao erro a população”, escreveu ele no documento.

 

Kajuru cita em seu projeto, principalmente, casos nos quais o candidato a uma vaga mente sobre os cursos que já fez ou falsifica diplomas. Para ele, é preciso que regras ainda mais severas sejam adotadas para a administração pública. “Se, para galgar uma vaga de trabalho em uma empresa de construção é necessário apresentar o diploma de engenheiro, o que acontecerá com aquele que apresenta um falso título universitário?”, questiona.

O senador também aproveita para criticar pessoas que se afirmam como “doutores”, mas que não possuem doutorado. “Diz o dito popular: doutor mesmo é quem tem doutorado. Verídico, aprovado e certificado.”

Confira o projeto na íntegra:

View this document on Scribd

Quer receber as principais notícias do MSN Brasil pelo Facebook Messenger?
Inscreva-se agora.

Mais de Você S/A

image beaconimage beaconimage beacon