Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Copom mantém preocupação com arcabouço fiscal. Entenda

Logotipo do(a) IstoÉ Dinheiro IstoÉ Dinheiro 22/09/2022 Brasília Alta Frequência, especial para DINHEIRO
A decisão, por maioria de 7 a 2, foi pela manutenção da Selic em 13,75% ao ano Arquivo / Agência Brasil © Arquivo / Agência Brasil A decisão, por maioria de 7 a 2, foi pela manutenção da Selic em 13,75% ao ano Arquivo / Agência Brasil

Para desgosto do ministro Paulo Guedes, o Copom mantém sua preocupação com o arcabouço fiscal. Na decisão de ontem, Fernanda Guardado e Renato Dias de Brito Gomes votaram por uma elevação residual de 0,25 ponto percentual.

A decisão, por maioria de 7 a 2, foi pela manutenção da Selic em 13,75% ao ano, mas há no comitê quem considere necessário elevar ainda mais a taxa básica de juros.

+ BC: Copom mantém ênfase no horizonte do 1º trimestre de 2024

Entre os riscos de alta da inflação, há maior persistência das pressões globais, incerteza sobre o futuro do arcabouço fiscal e estímulos adicionais que impliquem sustentação da demanda agregada, parcialmente incorporados nas expectativas de inflação e nos preços de ativos.

Por fim, o BC vê o hiato do produto mais estreito que o utilizado atualmente pelo comitê em seu cenário de referência, em particular no mercado de trabalho.

Por outro lado, entre os riscos de baixa, o Copom ressalta a queda adicional dos preços das commodities internacionais em moeda local, a desaceleração da atividade global mais acentuada do que a projetada e a manutenção dos cortes de impostos projetados para serem revertidos em 2023.

O Banco Central atualizou seu cenário para a política monetária ao reconhecer que o ambiente externo continua adverso e instável com as seguidas revisões negativas para o crescimento das principais economias, especialmente a da China. Autoridades de vários países avançados elevam seus juros.

No Brasil, o BC vê atividade econômica com crescimento acima do esperado no segundo trimestre, mas a inflação ao consumidor, apesar da queda recente em itens mais voláteis e dos efeitos de medidas tributárias, continua elevada.

As projeções de inflação do Copom são de 5,8% (2022), 4,6% (2023) e 2,8% (2024). Os integrantes do comitê informaram que, sem prejuízo do objetivo fundamental da estabilidade de preços, manter a Selic em 13,75% ao ano implica suavização das flutuações do nível de atividade econômica e fomento do pleno emprego. No calendário do Banco Central, a próxima reunião do Copom está prevista para 25 e 26 de outubro.

Mais de IstoÉ Dinheiro

image beaconimage beaconimage beacon