Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Coronavírus derruba exportações da China e impacta mercados no 1º bimestre

Logotipo do(a) Poder360 Poder360 08/03/2020 Maurício Ferro
Partícula de Covid-19. São 19 casos no Brasil até agora © 4X-image/istock Partícula de Covid-19. São 19 casos no Brasil até agora

As exportações da China caíram 17,2% nos 2 primeiros meses deste ano. Já as importações recuaram 4% em relação ao mesmo bimestre do ano passado. A China registrou deficit comercial de US$ 7,1 bilhões no período.

O grande responsável pela queda da economia chinesa neste início de 2020 é o surto do novo coronavírus (Covid-19), que já infectou mais de 80.000 pessoas somente no país asiático.

Os impactos econômicos do alastramento do surto são sentidos no mundo inteiro. As Bolsas de Valores derreteram nos últimos dias. No pregão da última 6ª feira (6.mar.2020), os 3 principais índices de ações dos Estados Unidos acentuaram o movimento de queda. Eis a lista:

  • Dow Jones, – 0,98% (25.864,78);
  • S&P 500, – 1,71% (2.972,37);
  • Nasdaq, – 1,87% (8.575,62)

No último dia 25, uma 3ª feira, os 3 principais indicadores norte-americanos despencaram mais de 2,7% em meio às notícias de que o coronavírus poderia se tornar uma epidemia global. Ao fim do pregão daquele dia, o Dow Jones caiu 3,15%; O S&P 500, 3,03%; e o Nasdaq, 2,77%.

Desde aquele dia até a última 6ª feira (6.mar), os 3 indicadores acumularam perdas de 4,49% (Dow Jones), 4,98% (S&P 500) e 4,35% (Nasdaq).

O mercado ainda tem a expectativa de que a OMS (Organização Mundial da Saúde) declare pandemia para a Covid-19, o que deve aprofundar a sangria das Bolsas.

No Brasil, o Ibovespa –principal índice de ações do mercado brasileiro– fechou a 6ª feira (6.mar) em queda de 4,14% (aos 97.996,77 pontos), acumulando perdas de 5,93% na semana.

O Ibovespa em dólar voltou ao patamar de dezembro de 2018 –todos os ganhos de 2019 se liquefizeram.

A moeda norte-americana bateu em R$ 4,65 na 5ª feira (5.mar), maior valor nominal da história (sem considerar a inflação). Fechou a 6ª feira em R$ 4,63 –apesar dos leilões realizados pelo BC (Banco Central), que irá realizar na 2ª feira (9.mar) 1 leilão de US$ 1 bilhão à vista (de 9h10 a 9h15).

As reservas brasileiras em dólar eram de US$ 374,7 bilhões no final de 2018, às vésperas de Bolsonaro assumir o Planalto. Hoje, o dado mais recente (5.mar) indica que são US$ 366,2 bilhões. É uma redução de US$ 8,5 bilhões, o equivalente a R$ 39,35 bilhões –mais do que está em jogo no debate no Congresso sobre Orçamento impositivo.

O preço de ações –sobretudo de companhias aéreas e de commodities– é outro indicador do período de incertezas. Só no pregão de 6ª feira, o valor do barril do petróleo Brent despencou 8,9%, para o patamar de US$ 45,54.

A desvalorização do barril –consequência do desaquecimento da atividade econômica mundial devido ao Covid-19– impacta negativamente no valor de empresas como a Petrobras, por exemplo. Já as restrições de viagens interferem nos negócios de companhias de aviação. No caso delas, como boa parte dos custos (combustível, dívida, etc.) é em dólar, a alta da moeda norte-americana também amplia as despesas –e leva os papéis a se depreciar.

POLÍTICA MONETÁRIA

O Fed (Federal Reserve, o Banco Central dos EUA) diminuiu, em reunião extraordinária na última semana, as taxas de juros do país em 0,5 ponto, para o intervalo de 1% a 1,25% ao ano. A atuação dos bancos centrais de diversos países tem sido até agora de redução dos juros para tentar estimular a economia.

O Banco Central brasileiro tinha sinalizado na última reunião do Copom (Comitê de Política Monetária), quando reduziu a taxa básica Selic para 4,25% ao ano, que interromperia a sequência de corte nos juros. Depois do anúncio do Fed, sinalizou que vai avaliar a evolução do Covid-19 para definir o percentual no próximo encontro, em 17 e 18 de março.

No Brasil, além da preocupação com o coronavírus (o país tinha 19 casos confirmados até sábado), há frustração com a atividade econômica. De acordo com o economista Victor Beyruti Guglielmi, analista da Guide Investimentos, o crescimento de 1,1% do Produto Interno Bruto em 2019, apesar de dentro do esperado, “ajuda a prejudicar a situação em torno da confiança dos agentes com uma retomada”.

“Para os próximos dias, o mercado deve acompanhar de perto a dinâmica da percepção de risco-país, medida pelo CDS de 5 anos, pois uma deterioração mais forte desse indicador irá colocar pressão adicional sobre o câmbio –fato que com certeza deverá alterar o plano de voo do Banco Central”, afirmou o analista.

DESDOBRAMENTOS SOCIAIS

Uma embarcação na costa da Califórnia teve 21 casos confirmados de Covid-19 neste sábado (7.mar). Por isso, todos os 3.533 tripulantes foram direcionados para 1 porto não comercial, onde passariam por testes de contração ou não da doença, de acordo com o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence. A informação é do New York Times.

Na China, 1 hotel na cidade de Quanzhou desabou neste sábado (7.mar) com cerca de 70 pessoas dentro. O prédio era usado como 1 centro de quarentena para evitar a disseminação da Covid-19 no sudeste chinês. As informações são da agência Reuters.

Já a escola de elite Avenues, no Brasil, fechou na 6ª feira (6.mar) sua unidade em São Paulo depois de 1 de seus estudantes ser diagnosticado com a doença respiratória causada pelo novo coronavírus, segundo o jornal Folha de S.Paulo. A instituição já havia recomendado a quarentena a alunos que tivessem viajado a países com casos da nova doença. À época, o Brasil possuía só 2 casos confirmados de contaminação.

Mais de Poder360

image beaconimage beaconimage beacon