Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Correios entram com ação de dissídio de greve no TST

Logotipo do(a) Poder360 Poder360 12/09/2019 Poder360
Correios entram em greve em todo o Brasil por tempo indeterminado © Fernando Frazão Correios entram em greve em todo o Brasil por tempo indeterminado

Os Correios entraram nesta 4ª feira (11.set.2019) com uma ação de dissídio coletivo no TST (Tribunal Superior do Trabalho) depois de os funcionários decretarem greve geral por tempo indeterminado. Uma ação de dissídio serve para solucionar 1 conflito entre a empresa e os funcionários grevistas.

De acordo com comunicado divulgado à imprensa, a empresa buscará uma solução que “não comprometa ainda mais a situação financeira” da estatal.

Segundo a nota, os Correios têm em andamento 1 plano de saneamento financeiro para garantir as operações de forma competitiva e sustentável. Para a empresa, algumas reivindicações dos funcionários superam o faturamento anual da estatal.

“Desde o início de julho, a empresa participa de reuniões com os representantes dos empregados, nas quais foram apresentadas a real situação econômica da estatal e propostas para o acordo dentro das condições possíveis, considerando o prejuízo acumulado, atualmente na ordem de R$ 3 bilhões. As federações, no entanto, apresentaram reivindicações que superam até mesmo o faturamento anual da empresa”, afirma a estatal.

De acordo com a Fentect (Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares), os trabalhadores reivindicam reajuste salarial com reposição da inflação, de 3,25%, e não querem cortes de direitos. A empresa oferece aumento de 0,8%.

Segundo a Fentect, mesmo com a mediação já iniciada no TST, referente ao processo de negociação do Acordo Coletivo 2019/2020, a empresa deixou de receber os representantes dos trabalhadores. Para a entidade, a empresa não dá prejuízo e não depende de financiamento público. Os empregados também são contra a eventual privatização dos Correios.

Em agosto, o governo federal incluiu os Correios no PND (Plano Nacional de Desestatização) e inaugurou a fase de estudos para privatizá-la, em parte ou totalmente. A abertura de estudos não indica necessariamente que uma empresa será privatizada. Há também a possibilidade da assinatura de parcerias com o setor privado.

Funcionamento prejudicado

Segundo os Correios, devido à greve, 1 Plano de Continuidade de Negócios foi montado pela empresa e as postagens e entregas,  correspondências e de encomendas Sedex e PAC continuarão sendo realizadas em todos os municípios. Já os serviços com hora marcada (Sedex 10, Sedex 12, Sedex Hoje) estão suspensos temporariamente.

(Com informações da Agência Brasil).

Mais de Poder360

image beaconimage beaconimage beacon