Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Criptomoeda é lançada no Brasil para estimular geração de energia solar

Logotipo do(a) Forbes Brasil Forbes Brasil 19/08/2021 Redação
O token Light DeFi vai destinar 5% das suas negociações à construção de uma fazenda de energia solar na Bahia © iStock O token Light DeFi vai destinar 5% das suas negociações à construção de uma fazenda de energia solar na Bahia

A energia solar é uma das mais sustentáveis formas de transformar recursos naturais em eletricidade, já que o sol é uma fonte inesgotável e limpa – uma solução especialmente importante no contexto atual, no qual as mudanças climáticas e avisos de danos “irreversíveis” no planeta – segundo relatório da ONU divulgado no começo do mês – estão cada vez mais comuns. E, apesar de o Brasil ter sido o 9º país do mundo ter mais novos sistemas de geração solar instalados em 2020, essa fonte representa apenas 1,7% da matriz energética nacional, de acordo com dados da Aneel e da Absolar – bem atrás das hidrelétricas e termelétricas, hoje no centro da crise de energia brasileira, com secas, baixos níveis dos reservatórios e contas de luz mais caras. 

Com base nisso, um grupo de empresários criou a criptomoeda Light DeFi, recentemente lançada no mercado com o objetivo de atrair investidores e entusiastas da energia limpa. A intenção é que 5% dos valores arrecadados com a venda do ativo sejam destinados à construção de uma fazenda de energia solar na Bahia, local geograficamente privilegiado quando o assunto é exposição ao sol e também com boas chances de viabilidade e escoamento energético. 

VEJA TAMBÉM: ONU faz alerta urgente sobre impacto humano “irreversível” para o clima

“Enxergamos um enorme potencial nesse mercado de energia solar, já que a demanda por esse serviço é altíssima. Então decidimos criar o token para viabilizar investimentos e tirar o projeto do papel”, conta Germano Sales, um dos desenvolvedores da  Light DeFi. 

Ele conta que, apenas duas horas após o lançamento, o ativo registrava valorização de 14.000% e tinha arrecadado mais de R$ 1 milhão, com 2.600 investidores. Além disso, o projeto também foi idealizado para ser sustentável: o montante recebido com a geração de energia é utilizado para a compra de mais criptoativos, fazendo com que o token dependa menos do mercado externo. A ideia é que, mesmo que não haja grande procura por investidores em determinado momento, a moeda seja elevada pelo próprio capital investido com o retorno das usinas.

“O mecanismo desse token foi planejado por muito tempo. Parte das taxas arrecadadas na negociação da Light DeFi será destinada à construção da fazenda de energia fotovoltaica e parte do montante que arrecadarmos com a operação será investida na criptomoeda. Não será algo baseado apenas em especulação”, explica Ricardo Nogueira, que também participou do processo de desenvolvimento.

Repetir vídeo
Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook

Twitter

Instagram

YouTube

LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Mais de Forbes Brasil

image beaconimage beaconimage beacon