Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Petrobras aprova venda de ações e deixa de controlar a BR Distribuidora

Logotipo do(a) VEJA.com VEJA.com 24/07/2019 Diego Freire
Petrobras aprova venda de ações da BR Distribuidora  © Ueslei Marcelino/Reuters Petrobras aprova venda de ações da BR Distribuidora

O Conselho de Administração da Petrobras aprovou, na noite desta terça-feira 24, a venda de ações correspondentes ao menos 30% do capital da Petrobras Distribuidora (mais conhecida como BR Distribuidora), subsidiária que, desde 1971, atua no segmento de distribuição e comercialização de combustíveis. Um dispositivo no acordo pode elevar a venda a 35% do capital da empresa e os valores da operação podem chegar a 9,6 bilhões de reais.

Com a conclusão do processo, a companhia deixará de ser controlada majoritariamente pela estatal, que teve 100% das ações até 2017, quando comercializou parte da subsidiária ao setor privado pela primeira vez.

O negócio fechado nesta terça-feira foi precificado a 24,50 reais por ação da BR Distribuidora e rendará ao menos 8,5 bilhões de reais para a Petrobras. O valor se refere a um mínimo de ações estipulado na venda, que garante a comercialização de 30% do capital da companhia, deixando a estatal com 41,5% de participação.

Há a possibilidade de que seja vendido também um lote suplementar de ações, nas mesmas condições e no mesmo preço. Caso a operação seja realizada integralmente, o montante pode chegar a 9,6 bilhões de reais por 35% do capital da distribuidora. Nesse caso, a Petrobras teria sua parcela reduzida a 37,5%.

A venda faz parte do programa de desinvestimentos promovido pela estatal nos últimos anos. De acordo com a Petrobras, a venda de ativos de subsidiárias visa “reduzir o endividamento e focar em negócios com menor risco e maior rentabilidade”.

“Buscamos parceiros para ampliar a nossa possibilidade de investir e gerar retorno mais rápido. E vendemos ativos para reduzir a dívida, reequilibrar as finanças da companhia e focar em negócios mais rentáveis. Parcerias e desinvestimentos contribuem, portanto, para o equilíbrio financeiro da empresa”, declarou a Petrobras, em 2018, sobre o programa de desinvestimentos.

“Só uma empresa com equilíbrio financeiro e capacidade de investir pode contribuir para o desenvolvimento do país, gerando riqueza, empregos, dividendos para os acionistas – principalmente a União, que é nosso acionista majoritário -, além de pagar royalties e impostos para municípios, estados e federação”, acrescenta a nota da petroleira.

Vídeo: Michel Temer avalia o governo Bolsonaro (BBC News)

A SEGUIR
A SEGUIR

Mais de Veja.com

image beaconimage beaconimage beacon