Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Petrobras, Assaí e frigoríficos deixam índice de sustentabilidade da Bolsa; veja nova carteira

Logotipo do(a) Folha de S.Paulo Folha de S.Paulo 03/12/2021 THIAGO BETHÂNICO

BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) - A B3, Bolsa de Valores brasileira, anunciou na última quarta-feira (1º) a prévia da carteira para 2022 do ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial), que reúne companhias com boas práticas ambientais, sociais e de governança corporativa.

Empresas com problemas socioambientais no histórico e que fazem parte da versão atual do índice, como a Petrobras, o supermercado Assaí e os frigoríficos Marfrig e Minerva Foods, ficaram de fora da nova seleção.

Ao todo, 17 papéis foram eliminados do índice (veja lista completa abaixo), mas nem todos significam a exclusão da companhia. Em alguns casos --como o do Bradesco e o do Itaú--, as ações ordinárias saíram, mas as preferenciais foram mantidas.

Segundo a B3, as empresas podem ter deixado a carteira por dois motivos: porque não se inscreveram para a seleção ou por não atingir os critérios estabelecidos. No entanto, os detalhes sobre cada circunstância não foram disponibilizados.

Em julho deste ano, a Bolsa anunciou mudanças na metodologia do ISE, que passou a incorporar critérios internacionais de ESG (sigla em inglês para os princípios ambientais, sociais e de governança).

Um deles é o CDP (Carbon Disclosure Project), iniciativa que avalia políticas relacionadas a mudanças climáticas. Para integrar o índice, as empresas precisam ter nota superior a C.

Outra novidade é a utilização do RepRisk, que indica o risco reputacional de uma companhia. Nesse caso a pontuação precisa ser igual ou menor a 50 pontos.

O desempenho de cada organização ainda não foi publicado, mas essas informações estarão disponíveis a partir do ano que vem --inclusive a nota daquelas que não foram selecionadas para a carteira.

Ainda que a B3 não confirme o motivo de cada exclusão, algumas empresas disseram ter desistido de participar da nova seleção. É o caso da Petrobras.

A empresa integra a atual carteira do índice de sustentabilidade, apesar dos questionamentos socioambientais. Além de ser uma produtora de combustíveis fósseis --considerados um dos principais vilões da crise do clima--, a petroleira divulgou recentemente um novo plano de investimentos que ignora a transição energética e a produção de renováveis.

"Em função da mudança de metodologia de avaliação do ISE, a Petrobras optou por não participar da seleção", disse em nota.

Outra companhia que faz parte do índice atualmente, mas não participou da nova seleção é o Assaí.

A rede atacadista disse que está na carteira do ISE de 2021 porque era uma subsidiária do GPA (Companhia Brasileira de Distribuição), mas com a cisão das empresas, em março deste ano, as ações foram desvinculadas.

"O Assaí não se submeteu ao ISE este ano [para carteira de 2022] porque o questionário era referente ao exercício de 2020. Assim, suas evidências e seus históricos ainda não eram como uma empresa independente, mas como subsidiária", afirmou em nota.

Em agosto deste ano, o Assaí teve sua agenda ESG questionada, quando um homem negro foi obrigado a tirar a roupa dentro de uma unidade do supermercado em Limeira (SP) para provar que não estava furtando nenhum produto.

Na época, analistas disseram que o caso indicava como o ESG estava longe de ser colocado em prática no mundo corporativo.

Considerado um dos principais referenciais de sustentabilidade do mercado financeiro, o ISE também não está imune a críticas sobre desmatamento. Dois dos três maiores exportadores de carne do Brasil, a Minerva Foods e a Marfrig, integram a versão atual do índice.

Em dezembro de 2020, a ONG britânica Global Witness disse que os dois frigoríficos haviam comprado gado de fazendas com desmatamento ilegal. Na época, as empresas negaram as irregularidades.

A Minerva Foods não comentou a saída do índice, mas disse que segue empenhando esforços na cadeia de valor do agronegócio, em especial no combate ao desmatamento ilegal e às mudanças climáticas.

"Um tema prioritário para a companhia é garantir o fim do desmatamento ilegal em toda a cadeia de abastecimento na América do Sul até 2030", afirmou em nota.

A Marfrig foi procurada para comentar a exclusão do índice de sustentabilidade, mas não retornou até a publicação desta reportagem.

Com metodologia mais rigorosa, o novo ISE tem menos questionamentos ESG, mas alguns ainda permanecem. Um deles é em relação à entrada da Braskem na carteira de 2022.

A petroquímica tem avaliação ruim no MSCI, um dos principais sistemas de classificação (rating) ESG do mercado, que aponta fragilidades da empresa em temas como governança corporativa e emissões tóxicas.

Além disso, a nova participante está ligada a um desastre ambiental em Maceió, que atingiu cerca de 57 mil pessoas. Em janeiro de 2018, a exploração de sal-gema pela Braskem provocou o afundamento do solo em diversos bairros da capital alagoana.

Sobre o caso, a empresa afirmou em agosto que atua "na zeladoria e apoio à segurança nas regiões atingidas" e que adquiriu equipamentos de monitoramento sismológico. "Também estão previstas medidas de compensação dos impactos ambientais e indenização para danos coletivos", afirmou em nota.

A B3 foi questionada sobre a entrada da Braskem na carteira do ISE, mas disse que não comenta casos específicos.

Veja a nova carteira do ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial)

Participantes

AES Brasil

Americanas

Bradesco

Banco do Brasil

Braskem

BRF

BTG Pactual

CCR

Cemig

Cielo

Copel

Cosan

CPFL Energia

Dexco

EcoRodovias

Energias BR

Fleury

Grupo Natura

Itaúsa

Itaú Unibanco

Klabin

Light

Lojas Renner

Movida

MRV

Pão de Açúcar

RaiaDrogasil

Rumo

Santander

Suzano

Telef Brasil

Tim

Vibra

Weg

Entraram

Braskem

RaiaDrogasil

Rumo

Saíram

Assaí

Bradesco*

Cemig*

Copel*

Eletrobras

Engie

Getnet

Itaú Unibanco*

Lojas Americanas

M. Dias Branco

Marfrig

Minerva

Neoenergia

Petrobras

*Só saíram as ações ordinárias

Mais de Folha de S.Paulo

Folha de S.Paulo
Folha de S.Paulo
image beaconimage beaconimage beacon