Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Alexandre de Moraes determina que PGR preste esclarecimentos sobre inquérito de atos antidemocráticos

Logotipo do(a) TV Cultura TV Cultura 07/06/2021 redação TV Cultura
© Reprodução/Facebook

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou, nesta segunda-feira (7), que a Procuradoria-Geral da República preste esclarecimentos sobre o pedido de arquivamento do inquérito que apura a organização de atos antidemocráticos.

O ministro é relator do caso e, antes de decidir sobre a continuidade ou encerramento do inquérito, pediu para a PGR informações de maneira direta e específica sobre quais medidas restritivas de direito impostas aos investigados durante a apuração deveriam ser encerradas e qual documentação sigiloso deve seguir para as instâncias inferiores, caso se decida pela continuidade de investigações.

O pedido de arquivamento do caso foi apresentado pelo Ministério Público na última sexta-feira (4). O parecer de Humberto Jacques de Madeiros, vice-procurador-geral da República, alegou que as investigações não apontam participação de deputados e senadores na organização dos atos.

"Esse inadequado direcionamento da investigação impediu a identificação de lacunas e dos meios necessários, adequados e proporcionais para alcançar a sua finalidade, impossibilitou a delimitação do problema, e fez com que as anões e as diligências de toda a equipe policial se afastassem do escopo das buscas e apreensões", escreveu Medeiros.

Leia também: TCU desmente Bolsonaro sobre relatório de mortes por Covid-19

O inquérito sobre os atos democráticos foi aberto pelo STF a pedido da PGR. As investigações foram autorizadas pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF.

O pedido da PGR foi apresentado em 20 de abril do ano passado, um dia após atos realizados em todo o país que tinham entre os manifestantes defensores do fechamento do Congresso, do STF e da reedição do AI-5.

Investigações da Polícia Federal

Em investigações sobre contas falsas derrubadas pelo Facebook, a Polícia Federal (PF) identificou um perfil operado em endereços ligados ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que é o Palácio do Planalto (sede do governo) e a casa da família na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro.

As informações estão nos relatórios produzidos durante a investigação do inquérito dos atos antidemocráticos. A PF concluiu que, pelo menos, 1.045 acessos desses perfis partiram de órgão públicos, incluindo Presidência da República, Câmara dos Deputados, Senado e Comando da 1ª Brigada de Artilharia Antiaérea do Exército.

Além disso, a PF identificou que a conta do Instagram chamada Bolsonaro News e o perfil do Facebook de Tércio Arnaud Thomaz, assessor do presidente, foram acessadas nos endereços ligados a Bolsonaro.

Mais de TV Cultura

image beaconimage beaconimage beacon