Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Dodge arquiva inquérito aberto por Toffoli para apurar ataques ao STF

Logotipo do(a) VEJA.com VEJA.com 16/04/2019 Guilherme Venaglia
Raquel Dodge, procuradora-geral da República e Dias Toffoli, presidente do STF © Adriano Machado/Reuters – Walterson Rosa/Tripé Imagem Raquel Dodge, procuradora-geral da República e Dias Toffoli, presidente do STF

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, enviou ofício ao Supremo Tribunal Federal (STF) afirmando que decidiu arquivar o inquérito aberto pelo presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, para apurar denúncias de fake news, ofensas e ameaças contra os integrantes do Supremo.

Em nota, Dodge argumenta que, como a legislação brasileira prevê o Ministério Público como titular da ação penal, o relator atribuído por Toffoli, o ministro Alexandre de Moraes, não poderia ter determinado diligências no caso sem ouvir o órgão.

“Embora os autos ainda não tenham sido enviados ao Ministério Público Federal, há notícias do cumprimento – no âmbito do inquérito – de medidas cautelares sujeitas à reserva de jurisdição sem atuação do titular da ação penal (MP), para avaliação dos parâmetros legais da medida ou em cumprimento ao controle externo da atividade policial”, afirma a PGR.

Nesta terça-feira, a Polícia Federal cumpriu sete mandados de busca determinados pelo ministro Alexandre de Moraes, atribuído por Toffoli como relator do caso. Os pedidos foram direcionados a pessoas que, nas redes sociais, se manifestaram contra o STF, incluindo o general da reserva Paulo Chagas que, no ano passado, foi candidato a governador do Distrito Federal alinhado ao presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Na segunda 15, Moraes determinou a retirada do ar de uma reportagem publicada por dois veículos digitais baseada em um depoimento no qual o empresário Marcelo Odebrecht teria apontado Dias Toffoli como o “amigo do amigo do meu pai” que é citado em um e-mail interno da empreiteira.

O efeito prático da decisão de Raquel Dodge é que nenhuma prova obtida durante as diligências realizadas nesta terça terá validade no momento em que o MPF tiver que decidir se oferece denúncia ou se pede o arquivamento das acusações. A procuradora-geral também ressalta que para responder a processo no STF, acusados devem ter foro privilegiado – e o inquérito aberto por Toffoli e relatado por Moraes, diz ela, nem sequer informa quem são investigados.


Vídeo: Mais Médicos: cubanos caíram na informalidade (Estadão)

A SEGUIR
A SEGUIR

Mais de Veja.com

image beaconimage beaconimage beacon