Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Governo é principal origem de desinformação sobre covid no Brasil, diz ONG

Logotipo do(a) Poder360 Poder360 18/05/2021 Poder360
Marcelo Queiroga (ministro da Saúde) e Presidente Jair Bolsonaro em evento no Planalto © Sérgio Lima/Poder360 Marcelo Queiroga (ministro da Saúde) e Presidente Jair Bolsonaro em evento no Planalto

A ONG Artigo 19 identificou quadro de “infodemia” no Brasil. O termo se refere à grande quantidade de informações conflituosas, verdadeiras ou falsas, sobre a covid. De acordo com a ONG, o Ministério da Saúde e a Presidência da República são as as principais fontes de poluição de informações no país.

A análise consta em relatório publicado nesta 2ª feira (17.mai.2021). Eis a íntegra (17 MB).

Receba a newsletter do Poder360

Metodologia

A organização avaliou a “transparência ativa”, isto é,  conteúdos sobre a covid-19 publicados de forma espontânea nos canais oficiais do Ministério da Saúde e da Presidência da República, bem como postagens e declarações públicas de Jair Bolsonaro. Também considerou a “transparência passiva”, dados obtidos por meio de solicitação formal a órgãos públicos.

A ONG  fez 20 pedidos via LAI (Lei de Acesso à Informação) ao Ministério da Saúde de 15 de janeiro a 9 de fevereiro de 2021.  Depois checou a veracidade das informações obtidas. Só 3 respostas foram classificadas como “consonantes”, que é quando seu teor é idêntico ao das “evidências verificadas empiricamente”. Outros 12 pedidos tiveram a resposta final classificada como insatisfatória.


Video: Na região das Alterosas, quatro locais foram interditados no domingo e seis autos de infração lavrados (Dailymotion)

Repetir vídeo

A 2ª etapa foi comparar a conformidade das respostas obtidas via LAI com informações públicas nos canais oficiais. A ONG assinalou 5 ocorrências de “desinformação intencional”  e 3 de “informação desonesta” em conteúdos do Ministério da Saúde e da Presidência da República.

A Artigo19 enumerou os seguintes entraves para obter dados de fontes oficiais: “O largo desrespeito aos prazos de resposta, a prorrogação indefinida para manifestações concernentes à pandemia e a banalização do sigilo”. Também indicaram dificuldade em acessar “documentos e comprovantes de atividades de interesse público”.

A organização perguntou, por exemplo. “Quantos m³ de oxigênio (O²) foram solicitados e quantos foram fornecidos a Manaus de março de 2020 a janeiro de 2021”. O Ministério da Saúde respondeu que não era da competência da pasta.

Mas publicações no site oficial do Ministério da Saúde, no Twitter do Presidente Bolsonaro e no site do Estado do Amazonas, foi divulgado que a pasta assumiu fornecimento do insumo ao Estado.

A ONG fez perguntas sobre os seguintes assuntos:

  • Aplicativo Trate-COV, que recomendava o “tratamento precoce”. Saiu do ar no início de 2021;
  • Kit covid, conjunto de medicamentos supostamente indicados pelo Ministério da Saúde para o “tratamento precoce” da covid-19;
  • Fornecimento de oxigênio para o Amazonas e os demais Estados;
  • Imunizantes, contratos fechados para aquisição de vacinas e eficácia contra a variante identificada no Amazonas;
  • Disponibilidade de seringas;
  • Vacinação de indígenas e comunidades ribeirinhas.

As perguntas encaminhadas ao Ministério da Saúde estão no relatório.

O outro lado

Poder360 procurou, por e-mail, a assessoria do Ministério da Saúde e da Presidência da República para comentar o relatório. O ministério não respondeu até a publicação desta reportagem. O Planalto respondeu que não irá se pronunciar sobre o assunto.

Mais de Poder360

image beaconimage beaconimage beacon