Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Líder da bancada evangélica vai cobrar de Bolsonaro que coíba atuação de pastores no MEC

Logotipo do(a) Estadão Estadão 18/03/2022 Eduardo Gayer

Quer se manter informado, ter acesso a mais de 60 colunistas e reportagens exclusivas?Assine o Estadão aqui!

BRASÍLIA — O poder de pastores no Ministério da Educação (MEC), com controle sobre agenda e repasse de verbas, repercutiu negativamente até mesmo dentro da bancada evangélica. O líder do grupo, deputado federal Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), disse ao Broadcast Político que vai conversar sobre o tema com o presidente Jair Bolsonaro (PL). Os dois estão juntos em agenda no Acre e retornam a Brasília ainda esta noite e devem tratar sobre o assunto no voo de volta.

“Isso não é papel de líderes religiosos, mas sim de parlamentares. Para isso disputamos eleição”, afirmou Sóstenes, próximo do governo e correligionário de Bolsonaro.

Como revelou o Estadão, pastores sem vínculo com a administração pública ou setor de ensino formaram um gabinete paralelo no MEC e participam de reuniões fechadas da pasta, agendas fechadas para discutir as prioridades e o destino de verbas voltadas à educação. Eles também fazem o intermédio de reuniões com o ministro Milton Ribeiro.

À reportagem, o líder do governo na Câmara, deputado federal Ricardo Barros (Progressistas-PR), por sua vez, saiu em defesa do governo e do poder de pastores sobre o MEC. “Não é exclusividade de parlamentares solicitar atendimento do governo a pleitos. Confederações, federações, sindicatos, associações também têm esse papel”, avalia o parlamentar.

A revelação de que pastores integram espécie de gabinete paralelo no MEC provocou reações mais virulentas no Congresso. "O Estado brasileiro virou uma avacalhação!", comentou o vice-presidente da Câmara Marcelo Ramos (PSD-AM). Especialista em educação, a deputada Tabata Amaral (PSB-SP) considerou que a atuação dos pastores pode configurar crime."O @Estadao revelou que há um gabinete paralelo de pastores que controla o MEC. Isso é tráfico de influências e contraria o que é de interesse público. Não à toa andamos 20 anos para trás na educação. Isso precisa ser investigado e punido!", escreveu a parlamentar em sua rede social.

Já o deputado Rogério Correia (PT-MG) apresentou requerimento pedindo a convocação de Ribeiro para falar na Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público. O deputado sustenta que o ministro precisa esclarecer a denúncia divulgada pelo Estadão. Segundo o parlamentar, há indícios de um "suposto crime de tráfico de influência e improbidade administrativa no Ministério da Educação". Especialistas ouvidos pelo Estadão acreditam que o fato de os pastores tratarem de assuntos do âmbito do MEC, sem ter qualquer vínculo formal com a administração federal, pode se configurar em crime de usurpação da função pública. O delito trata da ação de particulares que se apropriam da administração em benefício próprio.

Repetir vídeo

Em encontros promovidos com pastores, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, já declarou que prefere fazer o contato direto com os prefeitos, sem a intermediação de deputados ou senadores. “Nós já fizemos em alguns lugares (encontros com prefeitos). Sem política, sem discurso de parlamentar nenhum. Respeito os parlamentares, mas é técnica”, afirmou.

Mais de Estadão

image beaconimage beaconimage beacon