Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Médicos aprovam WhatsApp para falar com paciente

Logotipo do(a) Estadão Estadão 05/12/2018 Paula Felix
Por consulta presencial,Pereira só permite a troca de mensagens para tirar dúvidas pontuais © Werther Santana/Estadão Por consulta presencial,Pereira só permite a troca de mensagens para tirar dúvidas pontuais

Baixe o app Microsoft Notícias e fique atualizado sobre as notícias mais importantes para você. Disponível para iOS e Android.

SÃO PAULO - Os médicos já aderiram às novas tecnologias para falar com os pacientes e aprovam essas ferramentas, mas querem manter o atendimento presencial. Foi o que apontou levantamento feito pela Associação Paulista de Medicina (APM) que mostrou que 85% dos profissionais são favoráveis à adoção de ferramentas de mensagem instantânea, como o WhatsApp. Além disso, 84,6% usam ferramentas de TI para otimizar o tempo de consulta ou observar os pacientes, mas 57,9% são contrários às consultas a distância.

“Há um grande desafio dessas novas tecnologias para que não afastem o médico do paciente e para que o médico não fique preso ao computador. Também precisa de uma regulamentação para o uso. Os médicos usam muito o WhatsApp para se relacionar com o paciente, mas o que é falado não fica registrado do prontuário do paciente. Isso se perde”, explica Antonio Carlos Endrigo, diretor de TI da APM.

Neurologista e presidente do conselho curador do Global Summit Telemedicine & Digital Health (evento que vai discutir o tema em abril de 2019), Jefferson Fernandes diz que a telemedicina já é uma realidade. “É necessário ter esse avanço, tanto o sistema público como o suplementar, porque é algo que não tem volta. Não podemos deixar de oferecer para as pessoas o que a Medicina tem de benefício para elas.”

Neurocirurgião dos hospitais Beneficência Portuguesa e do Sírio Libanês, Júlio Pereira até se comunica com seus pacientes, mas aposta no diálogo com os pacientes para evitar o uso indevido da ferramenta. “Especifico que é para uma dúvida pontual, para ter uma orientação. Para leitura de laudos e exames, a consulta é indispensável”, afirma ele.

Regulamentação

O Conselho Federal de Medicina (CFM) regulamentou, em 2002, uma resolução que classificou a telemedicina como exercício da profissão de médico.

________________________________________________________________

Mais no MSN:

Lewandowski ameaça prender passageiro em voo (Via Estadão)

A SEGUIR
A SEGUIR

Mais de Estadão

image beaconimage beaconimage beacon