Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Maia sobre chance STF liberar sua candidatura: “Não trabalho por hipótese”

Logotipo do(a) Poder360 Poder360 29/11/2020 Poder360
Rodrigo Maia em 8 de outubro, no Salão Negro do Congresso Nacional © Sérgio Lima/Poder360 Rodrigo Maia em 8 de outubro, no Salão Negro do Congresso Nacional

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), voltou a dizer que não será candidato a 1 novo mandato à frente da Casa porque a Constituição não permite. Não falou, porém, se não será candidato mesmo que o STF (Supremo Tribunal Federal) o libere para concorrer. “Não trabalho por hipótese”, declarou.

Como mostrou o Poder360, o Supremo já tem votos suficientes para permitir que ele e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), candidatem-se novamente. As eleições nas Casas estão marcadas para fevereiro.

Reeleições nas presidências de Câmara e Senado são permitidas desde que não sejam na mesma legislatura, segundo as regras atuais. Não é o caso do pleito de fevereiro de 2021.

Rodrigo Maia falou a jornalistas neste domingo (29.nov.2020), depois de votar no Rio de Janeiro. “A Constituição não permite que eu seja candidato à reeleição“, disse.

Depois, perguntado sobre a ação no STF que deverá liberar sua candidatura e tem julgamento marcado para dezembro, declarou: “O julgamento do Supremo não sou eu quem decido, é o Supremo. Não trabalho por hipótese. Não sou candidato à reeleição porque a Constituição não permite”.

Atualmente há 6 deputados disputando o apoio e o espólio eleitoral (na Câmara), de Rodrigo Maia. São eles:

O grupo vislumbra mobilizar até 330 votos para aquele que for ungido pelo atual presidente. Isso garantiria sua eleição e mais 3 ou 4 cargos na direção da Câmara para aliados. Caso o STF libere nova candidatura do atual presidente, porém, seu nome deverá se impor. Ele se tornaria 1 candidato quase imbatível.

A candidatura viável fora desse grupo é a de Arthur Lira (PP-AL), líder do bloco conhecido como Centrão. Ele tem, atualmente, o apoio de partidos como PL, PSD e Solidariedade, além de seu PP.

Maia disse ainda que não é saudável antecipar o debate da sucessão. “Acho que antes da eleição para Câmara e para o Senado temos 1 volume importante de emendas constitucionais e projetos que precisam ser aprovados. Essa sim precisa ser a prioridade de todos nós”.

Voto impresso

O presidente da Câmara se diz 1 defensor do voto impresso, mas declarou que não é uma boa hora para discutir o tema.  “Acho que a gente não pode misturar o voto impresso com o ocorrido no 1º turno”. Ele defendeu o sistema eleitoral brasileiro.

Quando Jair Bolsonaro votou, também no Rio de Janeiro, voltou a jogar desconfianças sobre as eleições. Bolsonaro já deu diversas declarações nesse sentido desde que venceu a eleição de 2018.

Maia também cobrou do governo o envio de propostas ao Congresso que possam colocar em ordem as contas públicas.

Na mesma entrevista, Maia comparou o atual prefeito do Rio, Marcelo Crivella (Republicanos) ao diabo. Ele é bispo licenciado da Igreja Universal e disputa o 2º turno com Eduardo Paes (DEM), correligionário de Maia.

Mais de Poder360

image beaconimage beaconimage beacon