Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Maju Coutinho vence na justiça processo contra racismo

Logotipo do(a) Catraca Livre Catraca Livre 10/03/2020

Maju Coutinho, apresentadora da TV Globo, ganhou na justiça uma ação contra racismo e injúria racial. Na segunda-feira (09) o Tribunal de Justiça de São Paulo condenou dois homens pelo crime.

Os acusados Erico Monteiro dos Santos e Rogério Wagner Castor Sales usaram perfis falsos para publicar, de forma coordenada, comentários racistas contra Maju. Este foi o entendimento do juiz Eduardo Pereira dos Santos Júnior, da 5ª Vara Criminal da Capital Paulista que declarou na sentença:

Na liderança da comunidade cibernética denominada ‘Warning’, e sob pena de exclusão, ordenaram que seus membros efetuassem postagens de cunho preconceituoso e discriminatório contra a raça negra e a cor preta, o que efetivamente aconteceu, e de modo maciço e impactante. (…) Ao atacar figura pública emblemática, os réus visavam – e de alguma forma obtiveram – ampla repercussão de suas mensagens segregacionistas”, afirmou o magistrado.

Justiça condena homens que cometeram crime de racismo contra Maju Coutinho © Reprodução / Instagram @MajuCoutinhoReal Justiça condena homens que cometeram crime de racismo contra Maju Coutinho

Erico terá de cumprir seis anos de reclusão e Rogério cinco anos em regime semiaberto, mais o pagamento de uma multa. Os dois também foram acusados de cometer o crime de corrupção de menores. Isto porque, induziram adolescentes a praticar os mesmos crimes. Os réus poderão recorrer da sentença em liberdade.

Kaique Batista e Luis Carlos Felix de Araújo, que também foram denunciados pelo Ministério Público como integrantes do grupo, não foram condenados por falta de provas, segundo o juiz.

De acordo com o G1, Christiano Jorge Santos, um dos promotores do caso, afirma que esta condenação mostra que crimes cometidos na internet também são punidos: “A condenação dos autores dos ataques à Maju Coutinho, sobretudo do líder da gangue virtual de mais de dez mil membros, é uma demonstração de que a internet não é um oceano de impunidade por onde navegam racistas e outros criminosos virtuais. Mesmo os que se escondem atrás de nicknames e de perfis falsos (fakes), como no caso, podem ser alcançados pela polícia, pelo Ministério Público e pela Justiça Criminal“, disse.

Os crimes foram denunciados ao Ministério Público de São Paulo em 2016, porém a investigação mostrou que vinham ocorrendo desde 2014. Os acusados usavam perfis falsos para publicar as injúrias e outros comentários racistas. Todos eram comandados por Érico Monteiro dos Santos. Segundo o inquérito ele induziu quatro menores a participarem da ação criminosa. O grupo marcava um dia e um horário para promover os ataques, junto de profissionais de informática.

Foi o computador apreendido de Kaique Batista que permitiu que a polícia chegasse até eles. O caso foi um dos mais comentados nas redes sociais em 2015 e promoveu uma grande mobilização do público que defendeu a apresentadora com as hashtags #SomosTodosMaju e #SomosTodosMajuCoutinho. Na época toda a equipe do JN se mobilizou para gravar mensagens de solidariedade para Maju.

Racismo, saiba como denunciar e o que fazer em caso de preconceito

O racismo se faz presente em diferentes esferas da sociedade brasileira. Em tempos de intolerância, inúmeras são as denúncias noticiadas diariamente em todo o país. Por isso, se você sofreu, presenciou ou conhece alguém que tenha passado por isso, não hesite em fazer sua parte.

Racismo é crime previsto pela Lei 7.716/89 e deve sempre ser denunciado, mas muitas vezes não sabemos o que fazer diante de uma situação como essa, nem como denunciar, e o caso acaba passando batido.

Para saber a quem procurar e como proceder, clique aqui e confira as informações necessárias para não deixar crimes de racismo passarem impunes.

Veja também: Ludmilla quer ver Marcão do Povo condenado por racismo

Mais de Catraca Livre

image beaconimage beaconimage beacon