Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Rondônia proíbe destruição de equipamentos em operações ambientais

Logotipo do(a) Folha de S.Paulo Folha de S.Paulo 14/01/2022 FABIANO MAISONNAVE

CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - Em uma vitória para os infratores ambientais, o governador de Rondônia, o bolsonarista Coronel Marcos Rocha (PSL), sancionou uma lei que proíbe agentes estaduais de destruir equipamentos durante fiscalizações ambientais.

A medida, aprovada em dezembro pela Assembleia Legislativa, contraria parecer da própria Sedam (Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental) e da PGE (Procuradoria-Geral do Estado).

"Fica proibido (sic) aos órgãos ambientais de fiscalização e Polícia Militar do Estado de Rondônia a destruição e inutilização de bens particulares apreendidos nas operações/fiscalizações ambientais no estado", diz a lei 5.299, assinada na quarta-feira (12).

O projeto é de autoria do presidente da Assembleia Legislativa, Alex Redano (Republicanos). Ao justificá-lo, o parlamentar disse que se tratava de uma demanda de garimpeiros. Ele afirma que, caso o dono do equipamento destruído seja inocentado mais tarde, ele não pode recuperar o prejuízo.

Em parecer, a Sedam recomendou o veto total. Na avaliação da pasta, a medida "é necessária para evitar o seu uso e aproveitamento indevido nas situações em que o transporte e a guarda forem inviáveis" e quando "possam expor o meio ambiente a riscos significativos ou comprometer a segurança da população e dos agentes públicos envolvidos na fiscalização".

Também contrária à lei, a PGE afirma, em seu parecer, que a medida é "materialmente inconstitucional, uma vez que resulta em grave violação ao princípio da vedação ao retrocesso ambiental".

A PGE diz ainda que, caso o dono do equipamento destruído consiga provar sua inocência, a legislação em vigor prevê a sua indenização.

Na prática, são raros os casos de proprietários que entram na Justiça contra a destruição. Isso porque os bens costumam ser inutilizados dentro de áreas protegidas, onde a mera presença desses equipamentos está vetada.

Os fiscais ambientais afirmam que a destruição de bens é o último recurso e só ocorre quando é impossível o transporte desses equipamentos devido às dificuldades logísticas da Amazônia.

Apesar de criticar em público a destruição de bens em operações ambientais, o presidente Jair Bolsonaro (PL) nunca cumpriu a ameaça de vetar essa prática. No final de novembro, a Polícia Federal destruiu dezenas de balsas ilegais de garimpeiros no rio Madeira.

Mais de Folha de S.Paulo

Folha de S.Paulo
Folha de S.Paulo
image beaconimage beaconimage beacon