Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

'Sou casado, tenho três filhos, e já me chamam de padre — menos a igreja'

Logotipo do(a) BBC News BBC News 03/03/2020
Manuel, a esposa e os três filhos © Arquivo pessoal Manuel, a esposa e os três filhos

O paraense Manuel Valente está entre os mais de 240 homens católicos e casados da Amazônia que, nos últimos três meses, esperaram ansiosamente por um sinal verde do Vaticano para se tornarem padres.

Manuel e seus pares são diáconos permanentes, um grupo de homens que fica abaixo de padres e bispos na hierarquia da igreja, mas que pode celebrar batismos e casamentos, veste batina e clérgima (o colarinho típico dos sacerdotes), embora não precise optar pelo celibato.

Em outubro do ano passado, numa decisão histórica, 128 bispos contra 41 votaram a favor da "ordenação como sacerdotes de homens idôneos e reconhecidos pela comunidade, que tenham um diaconato permanente fecundo, podendo ter família legitimamente constituída e estável" em regiões remotas da Amazônia.

A decisão preliminar do Sínodo da Amazônia, que dependia da chancela do papa Francisco e visava a responder à escassez de padres na região, era vista como a chance de reconhecimento pela igreja ao trabalho de homens que, como Valente, pregam a fé católica sem qualquer remuneração.

Na prática, eles são o rosto da Igreja em locais remotos, onde um único padre precisa se desdobrar entre dezenas de pequenas capelas espalhadas em longos arquipélagos fluviais. Em locais como Cametá (PA), município formado por centenas de ilhas onde vive Valente, comunidades católicas passam até um ano sem participar de nenhuma missa.

O relatório final assinado pelo papa Francisco saiu na semana passada — e surpreendeu ao simplesmente ignorar o tema. O episódio é lido como uma concessão do papa às alas conservadoras da igreja, que temiam um primeiro passo rumo a um suposto fim definitivo, em prazo mais longo, do celibato entre os padres.

'Fiquei frustrado'

O depoimento de Valente à BBC News Brasil traz uma rara oportunidade de mergulho nos desafios que a Igreja Católica enfrenta em uma das regiões mais isoladas do planeta — onde, ao mesmo tempo, igrejas evangélicas se multiplicam impulsionadas pela ausência de dogmas como o celibato para pastores.

Segundo o Datafolha, a região Norte é a única do país onde há empate técnico entre evangélicos (46%) e católicos (45%) — no resto do país, católicos são 51% e evangélicos, 32%.

Como diácono, Manuel pode realizar funções parecidas com as do padre, como batismos e casamentos — mas não tem remuneração © Arquivo pessoal Como diácono, Manuel pode realizar funções parecidas com as do padre, como batismos e casamentos — mas não tem remuneração

A voz de Valente também ilustra a rotina de centenas de homens que professam sua fé, mas não abrem mão do convívio familiar, nem se esquivam de temas considerados tabu, como relações sexuais.

Procurada, a CNBB (Confederação Nacional dos Bispos) preferiu não comentar. A seguir, o depoimento de Valente à BBC News Brasil:

"De antemão, o que eu posso lhe dizer é que fiquei frustrado (com o relatório assinado pelo papa).

Tenho 46 anos e estou junto com minha esposa há 24. Nosso filho mais velho tem 22, a do meio tem 21 e o caçula tem 20. Eles contam que, quando saem por aí, sempre vem alguém e pergunta: 'Tu que é filho do padre, né?'.

E aí eles respondem: 'Não... Poderia, mas meu pai é o diácono'.

A gente esperava que isso fosse mudar com o sínodo, mas os gritos do povo da floresta mais uma vez não foram ouvidos.

Jesus Cristo disse: 'ide e evangelizai'. Mas quem conhece o chão é o pé que nele pisa. Os bispos que escreveram o relatório do papa não sabem subir num açaizeiro. Não sabem jogar uma tarrafa (rede típica de pesca). Não sabem remar e nunca sentiram o rio nos pés.

Entre o rio e a floresta tem um povo sofrido, gente que precisa de Deus e que consegue falar por si mesma. Mas o Sínodo mostrou que a igreja ainda está presa e não consegue se libertar de dogmas tão antigos, mas tão antigos, que já deveriam ter caducado.

Juntos desde 1996, Manuel e a esposa se casaram formalmente em 2009, na presença dos filhos © Arquivo pessoal Juntos desde 1996, Manuel e a esposa se casaram formalmente em 2009, na presença dos filhos

Eu nasci e moro até hoje em Cametá, um município no nordeste do Pará que vai completar 400 anos. Só aqui, tem 420 ilhas povoadas. Quase todas elas têm capelas.

Então, só aqui, tem quase 400 comunidades cristãs espalhadas pelo rio Tocantins. Para ir da primeira à última, a gente gasta no mínimo duas horas de voadeira (como são chamadas as lanchas rápidas na Amazônia).

Em uma das paróquias, existe um padre para 50 capelas. Tem comunidade que é tão distante que o padre leva dois, três anos para conseguir visitar.

Então, eles até me chamam de padre, porque eu consigo ir duas ou três vezes no ano nos fins de semana.

Eu tentei ser padre. Me apaixonei por São Francisco de Assis quando era bem jovem. Aí entrei no seminário e me tornei um frade franciscano. Como São Francisco, eu acredito que a maior riqueza da igreja são os pobres. O próprio Cristo disse isso, né? Mas não foi o que senti lá dentro, não achava que isso era vivido de forma intensa e radical entre os franciscanos.

Aí saí da igreja e continuei minhas atividades.

Eu sou músico, meu avô era mestre de banguê e minha mãe é dançadeira de samba de cacete (ritmos tradicionais afro-brasileiros presentes em comunidades do baixo Tocantins). Sou formado em História, depois fiz mestrado em Ciências da Religião e doutorado em Antropologia.

Foi durante o mestrado que eu fui chamado pelo pároco para ser diácono permanente. Ele sabia que eu tinha sido frade. Mas teve gente que não era muito a favor.

Há mais de 400 ilhas na cidade paraense onde Manuel Valente mora © Arquivo pessoal Há mais de 400 ilhas na cidade paraense onde Manuel Valente mora

Eu entrei na escola diaconal e senti o preconceito de perto. Me chamavam de 'diaconeiro' — mistura de diácono com macumbeiro, porque eu sempre trabalhei com as benzedeiras, os quilombolas e a medicina da terra.

Mas sobrevivi e fui ordenado diácono permanente em 2016.

Como diácono, eu faço parte do clero e atuo em três dimensões: a da palavra — faço a pregação no altar —, a litúrgica — auxilio o bispo e os padres quando eles celebram a missa — e a dimensão da caridade, que é a mais importante.

Na nossa diocese, para ser diácono permanente, como eu, você tem que ter ensino médio e uma fonte de renda própria, porque o nosso serviço eclesiástico não é remunerado.

Então, eu sou professor. Tem outro que é comerciante. Outro é autônomo.

Um diácono permanente como eu só pode ser ordenado padre se a esposa dele falecer.

Manuel cercado por fiéis em igreja no interior do Pará © Arquivo pessoal Manuel cercado por fiéis em igreja no interior do Pará

Aí eu pergunto: você sabe qual é a maior riqueza da igreja? É a família. O papa João Paulo 2º dizia isso. Então, por que impedir um homem de ser sacerdote só porque ele tem família? Qual é o problema de um sacerdote católico ser casado, se a família é uma benção e não um erro?

Pela Sagrada Escritura, os apóstolos eram casados.

Ah, mas podem dizer que se o padre for casado, ele não vai ter tempo para a Igreja, não vai ser exclusivo.

E eu respondo: se pudéssemos ser casados, o número de padres aumentaria!

Eu me casei dois anos antes de entrar na escola diaconal. A gente vivia juntado. Minha esposa também trabalha na igreja e é ministra da sagrada eucaristia.

'O sínodo não atendeu a todas as expectativas do povo cristão que vive na Amazônia, que esperava que ele fosse mais prático', diz diácono © Arquivo pessoal 'O sínodo não atendeu a todas as expectativas do povo cristão que vive na Amazônia, que esperava que ele fosse mais prático', diz diácono

No domingo, todas as comunidades devem celebrar a missa. Mas aí você tem a realidade. O padre só consegue celebrar a missa em uma igreja. Nas outras, cabe a nós, diáconos, e aos ministros de eucaristia, como a minha esposa, distribuir a eucaristia na falta de missa.

Como diácono, eu uso uma veste semelhante à do sacerdote. O padre usa túnica e estola, e nós usamos a túnica com estola colocada em outra posição.

Na vida pessoal, bom, a gente pode ter um casamento normal.

Posso ter sexo, afinal nós nos casamos e para que um casamento aconteça plenamente as relações sexuais afetivas devem ocorrer naturalmente.

Muita gente não sabe disso, mas se de repente um casal para de se relacionar sexualmente, o católico deve explicar ao bispo por quê. Se um marido não procura mais a esposa, ela pode compartilhar isso com bispo. E vice-versa, o marido também.

Portanto, a nossa vida sexual é normal, graças a Deus.

Eu acho que a maior barreira, a maior dificuldade do padre, não é a ausência de sexo. É a solidão, a maior inimiga do ser humano.

Além do trabalho como diácono, o paraense é formado em história, mestre em ciências da religião e doutor em antropologia © Arquivo pessoal Além do trabalho como diácono, o paraense é formado em história, mestre em ciências da religião e doutor em antropologia

Lembro que uma vez vínhamos de uma missão na estrada e o padre disse que deixaria eu e minha esposa em casa e que voltaria para a sua solidão. Aquilo me marcou muito.

Nós temos muito medo da nossa sexualidade porque nós nos desconhecemos. O cristão tem muito medo do corpo dele, dos sentimentos carnais. Parece que o corpo é contraditório ao espírito. Mas não existe uma briga entre corpo e espírito. Eles não são diferentes, não são antagônicos, ambos estão casados dentro do ser e só se desatam com a morte.

Mas não acho que tenha sido isso que influenciou no silêncio do papa sobre a ordenação de homens casados como eu.

O sínodo não atendeu a todas as expectativas do povo cristão que vive na Amazônia, que esperava que ele fosse mais prático. O resultado mostrou que estamos presos dentro dessa película que se chama burocracia clerical e que a igreja não teve forças para furar ou romper.

Em muitas comunidades da Amazônia, católicos só têm acesso a uma missa por ano, e às vezes nem isso, porque o número de padres é muito pequeno.

Aí eu te pergunto: por que privar o povo amazônico dessa riqueza? O sínodo não nos deu essa resposta."

____________________

Mais de BBC Brasil

image beaconimage beaconimage beacon