Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Cientistas descobrem tsunami desconhecido na costa do Chile em 1737

Logotipo do(a) Revista Planeta Revista Planeta 13/12/2021
© Vista aérea do pântano de Chaihuín, local da descoberta de novas evidências geológicas para um tsuna...

Um grande terremoto na costa centro-sul do Chile em 1737 pode ter causado um tsunami substancial que estava ausente dos registros históricos, de acordo com uma nova pesquisa. O trabalho que apresenta essa conclusão foi publicado na revista Communications Earth & Environment, do grupo Nature.

Registros históricos são usados ​​para prever a frequência com que os tsunamis provavelmente ocorrerão em uma região no futuro. Até agora, acreditava-se que terremotos causadores de tsunamis haviam ocorrido no litoral centro-sul do Chile três vezes desde a década de 1570, incluindo aquele ocorrido após o terremoto de magnitude 9,5 em 1960.

No entanto, a descoberta de um tsunami não registrado significa que os tsunamis podem ter atingido a costa chilena com mais frequência do que se acreditava anteriormente. Isso significa que o tempo médio entre as ocorrências históricas de tsunami pode ser reduzido significativamente, para uma média de 130 anos.

Sedimentos revelam o passado sísmico do Chile: até 19 cm de areia foram depositados aqui em Chaihuín por um tsunami em 1960. Crédito: Ed Garrett © Fornecido por Revista Planeta Sedimentos revelam o passado sísmico do Chile: até 19 cm de areia foram depositados aqui em Chaihuín por um tsunami em 1960. Crédito: Ed Garrett Evidências

Pesquisadores das universidades de Northumbria e York, no Reino Unido, trabalharam para investigar sedimentos em pântanos de maré em Chaihuín, perto de Valdivia, perto da área onde ocorreu o terremoto de 1737.

A análise de 130 núcleos de sedimentos revelou evidências de camadas arenosas espalhadas, datando da mesma época do terremoto, que se assemelham a depósitos feitos por ondas de tsunami em outras áreas.

Os pesquisadores também encontraram uma mistura de espécies de algas marinhas e de água doce e evidências de subsidência da terra, o que significa que eles conseguiram descartar tempestades, inundações de rios ou um tsunami gerado a distância como a causa dos depósitos de areia.

Suas descobertas mostram que o terremoto de 1737 se deu principalmente no mar, em profundidades de falha muito mais rasas do que anteriormente indicado em registros históricos.

Os pesquisadores sugerem, portanto, que os registros geológicos e históricos devem ser considerados em conjunto ao prever o risco de tsunami no futuro, acrescentando que os registros históricos por si só podem não fornecer uma documentação completa de sua ocorrência e características.

Registros incompletos

A pesquisadora principal, drª Emma Hocking, do Departamento de Geografia e Ciências Ambientais da Universidade de Northumbria, disse: “A avaliação do risco de tsunami costuma se basear em registros históricos de inundações ao longo de linhas costeiras específicas, com a frequência da ocorrência de tsunami no passado usada para prever o risco potencial futuro. No entanto, esses registros às vezes são incompletos porque os relatos de tsunamis podem ser muito afetados por distúrbios sociais ou outras crises. Neste caso, acredita-se que a falta de crônicas de um tsunami pode ser atribuída aos levantes que expulsaram colonos da maioria dos postos coloniais da área”.

Hocking prosseguiu: “Há registros de um terremoto na área em 1737, mas não há nada nesses registros que indique que tenha gerado um tsunami. No entanto, encontramos evidências que sugerem que o terremoto, de fato, causou um tsunami. A implicação disso é que os tsunamis ocorreram com mais frequência do que acreditávamos anteriormente e, portanto, sugerimos que o uso de registros históricos por si só pode gerar erros de cálculo. A evidência geológica é essencial para verificar e complementar os registros históricos a fim de obter padrões robustos de longo prazo para informar a avaliação de risco sísmico e de tsunami”.

Ed Garrett, líder do Grupo de Pesquisa Criando um Mundo Resiliente ao Clima no Departamento de Meio Ambiente e Geografia da Universidade de York, acrescentou: “Um extenso trabalho de campo durante várias temporadas nos permitiu mapear o depósito do tsunami em detalhes. Achamos que a combinação desses dados de campo abrangentes com modelos numéricos do terremoto e tsunami torna este estudo realmente notável”.

Mais de Revista Planeta

image beaconimage beaconimage beacon