Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

A cidade subterrânea de Hitler

Logotipo do(a) Superinteressante Superinteressante 24/11/2018 Paulo Henrique Martins
A cidade subterrânea de Hitler: Cavernas do complexo, abandonado nos estertores do nazismo. © Divulgação Cavernas do complexo, abandonado nos estertores do nazismo.

Baixe o app Microsoft Notícias e fique atualizado sobre as notícias mais importantes para você. Disponível para iOS e Android.

O carro derrapava assustadoramente na neve de uma estrada deserta, no sudoeste da Polônia. Huskies me olhavam com curiosidade por trás de uma cerca. Eu esperava que o caminho me levasse até o complexo subterrâneo de Osówka, quase na fronteira com a República Tcheca. Mas estava perdido.

A estrada estreita seguia ladeira abaixo, as rodas derrapando no gelo, como se o carro estivesse me avisando que não haveria jeito de retornar. Então segui em frente, e acabei encontrando por sorte.

É que há pouca sinalização para quem quer visitar Osówka, aos pés das montanhas Sowie, o cartão-postal da região. Os enigmas em torno do complexo subterrâneo vêm desde a 2a Guerra, porque ele é parte de algo bem maior, o chamado Projeto Riese (“gigantesco” em alemão). Trata-se de uma série de grandes bunkers interconetctados que, juntos, formariam uma verdadeira cidade debaixo da terra, com 35 km2 de área (quase dez vezes a do bairro de Copacabana, no Rio), e capacidade para 20 mil pessoas.

O lugar abrigaria fábricas de bombas, que poderiam ser construídas lá embaixo a salvo dos bombardeios inimigos. E também receberia o equipamento necessário para a construção da bomba atômica nazista – aquela que, para a sorte do planeta, Hitler não conseguiu tirar do papel.

A construção do complexo, com seus salões e túneis de interconexão, teve início em 1943, na Baixa Silésia, uma região da Polônia que, antes da Guerra e durante, fazia parte da Alemanha. O encarregado do projeto foi o arquiteto Albert Speer, amigo pessoal de Hitler e ministro da produção de armamentos do Terceiro Reich. As obras começaram simultaneamente em diferentes pontos das montanhas Sowie.

Há sete pontos subterrâneos conhecidos, e o complexo de Osówka é um dos maiores. O salão principal tem 8 metros de altura e está completamente revestido de cimento, mas ainda é amparado pelos suportes de madeira originais usados em sua construção, apodrecendo pela ação do tempo e da umidade no interior da caverna.

Por ali, ficam em exibição uniformes, máscaras de gás, armas, pás, picaretas… Tudo abandonado às pressas enquanto o exército soviético se aproximava, no começo de 1945. Ao perceber que a guerra estava perdida, aliás, Hitler emitiu o “decreto Nero”, ordenando a queima de documentos do Reich. Nisso, os documentos que detalhavam os planos para o complexo subterrâneo foram completamente destruídos. O que se sabe hoje é fruto do trabalho minucioso de historiadores. E o fato é que ainda há muito mistério envolvendo o Projeto Riese.

A cidade subterrânea de Hitler: Entrada de um dos sete complexos do Projeto Riese. Estima-se que apenas 10% da cidade subterrânea tenha sido explorada até hoje. © Divulgação Entrada de um dos sete complexos do Projeto Riese. Estima-se que apenas 10% da cidade subterrânea tenha sido explorada até hoje.

Escravos

A construção do complexo ficou a cargo de prisioneiros judeus. Eles vinham de Gross-Rosen, um campo de concentração próximo. A composição das rochas das montanhas Sowie, bem dura, permitia salões e túneis amplos. Por outro lado, dificultava o trabalho de escavação. A expectativa de vida de um trabalhador de Osówka girava em torno de quatro meses. Estima-se que 13 mil judeus tenham trabalhado nas obras, e que 5 mil tenham morrido.

Em outra parte do complexo, dá para ver os carrinhos que rodavam sobre trilhos, usados para tirar a terra e a pedra que iam sendo escavadas. Dá para imaginar as dificuldades que esses trabalhadores enfrentavam. O teto às vezes é baixo, comprovando a necessidade do uso de capacete. Após quase duas horas no claustrofóbico escuro úmido das cavernas, é inevitável sentir alívio ao avistar a luz do dia, na saída do complexo subterrâneo. Saímos por um túnel diferente do que entramos, um pouco mais isolado na densa floresta da região, escorregando no gelo da trilha que levaria de volta ao estacionamento de Osówka.

O passeio termina com a impressão de que ainda há muito a se descobrir sobre o Projeto Riese. E há mesmo. Baseado em correspondências de Albert Speer, historiadores estimam que apenas 10% dos túneis tenham sido descobertos até agora. Perfurar a terra em busca de túneis ocultos sai caro – mais do que os orçamentos das universidades interessadas em pesquisar podem dar conta. Por essas, grande parte do trabalho de pesquisa feito hoje é obra de expedições privadas de caça ao tesouro. São grupos que passam meses estudando mapas antigos e a topologia do terreno da Silésia, procurando pistas que possam indicar mais locais subterrâneos, como saídas de dutos de ar.

A cidade subterrânea de Hitler: Bonecos instalados nos túneis representam o trabalho de construção, feito por judeus escravizados. No destaque, à esquerda, parafernália nazista abandonada nos túneis, em exposição em uma das poucas áreas com teto e paredes cimentados. À direita, réplica de uma bomba V1, modelo que seria fabricado no complexo. © Divulgação Bonecos instalados nos túneis representam o trabalho de construção, feito por judeus escravizados. No destaque, à esquerda, parafernália nazista abandonada nos túneis, em exposição em uma das poucas áreas com teto e paredes cimentados. À direita, réplica de uma bomba V1, modelo que seria fabricado no complexo.

A busca deles é por artefatos valiosos que caíram nas mãos dos nazistas, como a “Sala de Âmbar”. Trata-se de um conjunto de paredes de âmbar e ouro, feitas no século 18, que os nazistas roubaram de um palácio próximo a São Petersburgo, e que nunca mais foi visto. A obra de arte tem o valor estimado em US$ 250 milhões.

Outro tesouro que caçam por ali é uma espécie de Eldorado moderno: o lendário “trem do ouro nazista”. Seria um trem de 150 metros recheado de pedras preciosas, tapeçarias, obras de arte e, claro, ouro, roubado das vítimas do Holocausto. Não há evidência alguma de que tal trem exista. Menos ainda de que esteja oculto em túneis jamais descobertos. Mesmo assim, não faltam expedições em busca dele. A última aconteceu em 2016 e contou até com o apoio do governo polonês. E deu em água.

Bunker de todos os bunkers

Outro pedaço do Projeto Riese é um complexo de túneis construídos bem debaixo do castelo Książ, um palácio esplendoroso situado a 30 km da entrada de Osówka. Dois andares de galerias foram escavados debaixo do castelo, a mais de 60 metros de profundidade. Durante a guerra, o castelo Książ estava sendo reformado para se tornar a residência de Adolf Hitler. O quarto que viria a ser do líder austríaco teria, inclusive, um elevador com acesso direto aos túneis. Isso reforça outra teoria sobre o propósito do Projeto Riese: o de que ele pudesse abrigar todo o comando nazista se fosse preciso. Seria

o bunker de todos os bunkers. Pelo ritmo da construção, acredita-se que, se a guerra durasse mais dois anos, o Projeto Riese estaria funcionando a todo vapor, mas provavelmente as estruturas básicas poderiam começar a ser usadas bem antes disso. Em seu livro de memórias, o arquiteto Albert Speer diz que a preocupação do alto comando nazista com a própria sobrevivência chegava a “níveis insanos”, o que levava à criação de cada vez mais bunkers.

É o caso do de Obersalzberg, outro complexo subterrâneo nazista aberto para visitação, só que perto da fronteira com a Áustria. Ele também nunca foi usado, mas fica perto de uma residência que Hitler ocupou de fato, pelo menos por algumas temporadas: a bela “Casa de Kehlstein” (mais conhecida pelo apelido que as tropas aliadas deram para o imóvel: “Ninho da Água”). “Ninho” porque está fincada no topo do monte Khelstein. Hitler, porém, não gostava muito do lugar, por ter medo de altura. De qualquer forma, já havia lá um bunker para ele, dado o “insano” senso de autopreservação. Diante de tudo isso, chega a ser irônico que Hitler tenha morrido num bunker modesto, no centro de Berlim.

O bunker do Führer não está aberto para visitação. Ele foi destruído pelos soviéticos e hoje, acima dele, fica o estacionamento de um prédio de apartamentos levantado na época da Alemanha Oriental. Há apenas uma placa nos arredores dizendo que Hitler morreu ali. Nada do glamour misterioso do Projeto Riese, ou mesmo de Obersalzberg. Talvez seja melhor lembrarmos do nazismo justamente assim. Não como uma história que instiga a imaginação, mas como o que ele realmente foi: uma época fúnebre da história da humanidade.

ONDE FICA

O complexo de bunkers do Projeto Riese está encravado na Baixa Silésia, uma região da Polônia que, antes e durante a 2a Guerra, fazia parte da Alemanha

Mais de Superinteressante

Superinteressante
Superinteressante
image beaconimage beaconimage beacon