Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Macacos também comem mais “besteira” no frio

Logotipo do(a) Superinteressante Superinteressante 12/06/2018 Ingrid Luisa
Golden snub-nosed monkey © iStock Golden snub-nosed monkey

Não sei se é o seu caso, mas muita gente sente mais vontade de comer no frio. E de comer coisas específicas: massa, chocolate quente, fondue, suflês. É só baixar a temperatura que dá aquela vontade de ingerir aquela comidinha bem calórica. Nós, humanos, porém, não somos os únicos com esse hábito.. Pesquisadores da Universidade de Sidney, Austrália, descobriram que o macaco-dourado (Rhinopithecus roxellana), que vive em habitats frios e nevados da China, ajusta sua alimentação de acordo com o clima – e no inverno, curte carregar bem a dieta.

As “besteiras” que eles comem são basicamente quantidades grandes de carboidratos e gorduras. As montanhas Quinling, no centro da China, possuem florestas temperadas de grande altitude. No inverno, as temperaturas ficam abaixo de 0ºC e a neve cobre tudo por várias semanas – o que é extremamente frio para a sobrevivência de qualquer primata. E é por isso que nossos macaquinhos aproveitam para acumular bastante tecido adiposo.

Com o intuito de estudar essa mudança de hábito, os pesquisadores analisaram os alimentos consumidos pelos macacos em períodos mais amenos, como primavera, para, assim, calcular a composição nutricional de sua dieta normal. “Para entender melhor as adaptações que permitem que esses macacos vivam e prosperam em um ambiente tão hostil, testamos como eles lidam com custos energéticos adicionais de manutenção do calor no inverno”, disse David Raubenheimer, um dos autores do estudo.

O teste foi engraçado: os pesquisadores disponibilizaram um espécie de banquete para os bichos. Eles deixaram comida abundante durante todo o período do estudo, para saber exatamente a interferência da temperatura – e não deixar que possíveis intervenções ecológicas, como o que a natureza disponibilizou ou não, interferisse no resultado. E assim foi comprovado: os macacos comeram o dobro no inverno, comparando com a primavera. E eram só carboidratos e gorduras – a ingestão de proteínas, por exemplo, não mudou com os termômetros.

Explicando de forma simples, durante o inverno há um aumento no consumo energético nos mamíferos, porque a temperatura ambiente é menor que a corporal, e precisamos mantê-la constante. A produção de calor do corpo, necessária para manter nosso equilíbrio térmico, exige mais energia – daí a tendência a comer mais. Medindo a temperatura dos macaquinhos em pontos específicos, os pesquisadores descobriram exatamente qual a quantidade de calor perdida naturalmente por esses primatas à medida em que a temperatura ia baixando. Assim, comprovou-se que as calorias adicionais que eles comiam no inverno correspondiam exatamente ao calor que eles perdiam. Ou seja, a dieta mais carregada eram usada diretamente para o controle térmico.

Para os macacos, porém, foi bem mais fácil abandonar os hábitos alimentares baseados em carboidrato e gordura uma vez que o inverno chegou ao fim. Na primavera, mesmo com um banquete de comida disponível, eles comeram metade do consumido no inverno. Repito, mesmo com uma grande quantidade de comida a vista! Sim, eles são bem mais controlados que seus parentes Homo sapiens – e não sentem o mesmo impulso de comer sem necessidade nutricional, só para provocar a sensação de prazer.

O estudo com os macaquinhos chineses faz parte de uma pesquisa bem mais ampla que procura entender como os primatas não-humanos lidam com o excesso de comida. Quem sabe isso nos ajude a compreender porque muitas pessoas são tão vulneráveis a um pedaço de pizza, mesmo estando sem fome.

Mais de Superinteressante

Superinteressante
Superinteressante
image beaconimage beaconimage beacon