Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Ponto continental mais profundo do planeta é encontrado na Antártida

Logotipo do(a) BBC News BBC News 13/12/2019
A área profunda de Denman (azul escuro) tem 20 km de largura e 100 km de comprimento - tudo cheio de gelo © BedMachine/UCI/BAS A área profunda de Denman (azul escuro) tem 20 km de largura e 100 km de comprimento - tudo cheio de gelo

O ponto mais profundo da Terra continental foi identificado na Antártida Oriental, sob a Geleira Denman.

Este canyon de gelo atinge 3,5 km abaixo do nível do mar. Somente no oceano os vales são ainda mais profundos.

A descoberta é ilustrada em um novo mapa da Antártida que revela a forma da rocha sob a camada de gelo em um nível de detalhes sem precedentes.

Suas características serão críticas para a nossa compreensão de como o sul polar pode mudar no futuro.

Para comparação, a área menos exposta na Terra, na costa do Mar Morto, fica a apenas 413m (1.355 pés) abaixo do nível do mar.

A nova descoberta mostra, por exemplo, áreas que não eram conhecidas e que impedirão o recuo de geleiras derretidas em um mundo em aquecimento e, por outro lado, vários terrenos regulares e inclinados que poderiam acelerar essas retiradas.

"Este é sem dúvida o retrato mais preciso até agora do que está embaixo do manto de gelo da Antártica", disse Mathieu Morlighem, que trabalha no projeto há seis anos.

O pesquisador da Universidade da Califórnia está apresentando a "BedMachine Antarctica" no Encontro de Outono da American Geophysical Union. Também está sendo publicado simultaneamente na revista Nature Geoscience.

O mapa preenche essencialmente todas as lacunas nas pesquisas aéreas do continente.

Durante décadas, os instrumentos de radar cruzaram a Antártida, enviando pulsos de microondas para espiar através do gelo e traçar a topografia rochosa subjacente. Mas ainda existem vastas áreas para as quais há pouco ou nenhum dado.

A solução de Morlighem tem sido usar a física (conservação de massa) para tapar esses buracos.

Por exemplo, se é sabido quanto gelo está entrando em um vale estreito e quão rápido está se movendo, o volume desse gelo pode ser calculado, fornecendo uma visão da profundidade e da aspereza do fundo oculto do vale.

Para a geleira Denman, com 20 km de largura, que flui em direção ao oceano na porção de terra Queen Mary, essa abordagem revela que o gelo desce para mais de 3.500 metros abaixo do nível do mar.

"As trincheiras nos oceanos são mais profundas, mas este é o cânion mais profundo da terra", explicou Morlighem.

"Houve muitas tentativas de rastrear a profundidade de Denman, mas toda vez que eles voavam sobre o cânion - eles não podiam vê-lo nos dados do radar."

"O vale é tão profundo que você recebe ecos laterais das paredes do vale e eles tornam impossível detectar o reflexo do leito real da geleira", disse ele à BBC News.

Para comparação, o ponto mais profundo do oceano - na Fossa das Marianas, no oeste do Pacífico - fica apenas 11 km abaixo da superfície do fundo do mar. Existem canyons de terra que podem ser descritos como tendo paredes laterais mais altas, como o Yarlung Tsangpo Grand Canyon na China, mas seus pisos estão acima do nível do mar.

Byrd é uma gigantesca geleira na Antártida © NASA/USGS/Landsat Byrd é uma gigantesca geleira na Antártida

Grande parte do conteúdo do BedMachine Antarctica pode não parecer, à primeira vista, diferente dos mapas anteriores. Porém, em uma análise mais cuidadosa há alguns detalhes fascinantes que vão gerar uma discussão considerável entre os especialistas no tema.

Por exemplo, ao longo dos Montes Transantárticos, há uma série de geleiras que atravessam o planalto oriental do continente e chegam ao mar de Ross. Os novos dados mostram que existe uma crista alta sob essas geleiras que limitarão a velocidade com que podem drenar o platô. Isso será importante se o aquecimento futuro desestabilizar a plataforma flutuante de gelo que atualmente fica no topo do Mar de Ross. Normalmente, esperaria-se que a remoção dessa plataforma acelerasse o fluxo das geleiras.

"Se algo aconteceu com a plataforma de gelo do mar de Ross provavelmente não desencadeará o colapso da Antártida Oriental por esses 'portões'. Se a Antártida Oriental estiver ameaçada, não é pelo mar de Ross", disse Morlighem.

Em contraste com a situação nos Montes Transantárticos, o BedMachine Antarctica encontra poucos impedimentos ao recuo rápido da geleira Thwaites. Aproximadamente do tamanho do Reino Unido, essa poderosa corrente de gelo termina no mar de Amundsen, no oeste do continente.

Isso preocupa os cientistas porque fica em uma área que se inclina de volta para a terra - uma geometria que tende a ajudar na redução. E o novo mapa revela apenas duas cordilheiras, cerca de 30 km e 50 km da atual linha de aterramento de Thwaites, que poderiam atuar como possíveis freios. Passando por isso, o retrocesso da geleira derretida pode ser imparável.

O BedMachine Antarctica será alimentado por modelos climáticos que tentam projetar como o continente pode evoluir à medida que as temperaturas na Terra subirem nos próximos séculos.

A realização de simulações realistas desses modelos depende de ter informações mais precisas sobre a espessura da camada de gelo e o tipo de terreno sobre o qual ela pode deslizar.

A pesquisadora Emma Smith, do Instituto Alfred Wegener da Alemanha, usa esta analogia: "Imagine se você derramasse um monte de melaço em uma superfície plana e observasse como ele flui para fora. Em seguida, despeje o mesmo melaço em uma superfície com muitos altos e baixos, diferentes declives e cordilheiras. A maneira como o melaço se espalharia seria muito diferente. E é exatamente o o que ocorre com o gelo na Antártida", disse à BBC News.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Mais de BBC Brasil

image beaconimage beaconimage beacon