Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Como estimular o cérebro das crianças para que elas aprendam mais?

Logotipo do(a) Estadão Estadão 02/08/2022 Raphael Preto Pereira

Quer se manter informado, ter acesso a mais de 60 colunistas e reportagens exclusivas?Assine o Estadão aqui!

Estimular a aprendizagem das crianças é um desafio para as famílias e os educadores, sobretudo diante da hiperconexão desde o berço. Para a fonoaudióloga e psicopedagoga Telma Pantano, o longo tempo em frente às telas se tornou uma realidade, mas os pais precisam ficar atentos ao estímulo a que elas são submetidas quando estão mergulhadas nos smartphones, computadores e videogames.

Telma, que também integra o corpo clínico do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), explica que os impactos das restrições ao convívio social na pandemia, em que crianças e adolescentes ficaram afastados da escola, estão longe de serem relacionados unicamente às questões pedagógicas. O grande problema, disse a professora colaboradora da USP em conversa com o Estadão, serão os impactos nas habilidades socioemocionais, como empatia, autoconhecimento e cooperação.

A fonoaudióloga e psicopedagoga Telma Pantano acredita que o tempo de exposição às telas não é, necessariamente, algo ruim. © Taba Benedicto/Estadão A fonoaudióloga e psicopedagoga Telma Pantano acredita que o tempo de exposição às telas não é, necessariamente, algo ruim.

Veja os principais trechos da entrevista:

Como estimular mais as crianças e melhorar a aprendizagem?

Precisamos pensar em como queremos que elas aprendam. Se quisermos que seja naquele contexto escolar mais tradicional, vai ser necessário estimular nas crianças processos cognitivos que envolvam treinos de atenção, memória, autonomia e flexibilidade mental, consideradas funções cognitivas maiores. Então, por exemplo, uma criança que consiga controlar sua atenção por mais tempo vai conseguir, evidentemente, prestar atenção por mais tempo. E uma criança com uma boa memória operacional vai conseguir dar significados para os aprendizados por mais tempo. E como a gente pode preparar as crianças para aprender melhor? Dando estímulos que sejam cada vez mais complicados, mais complexos, e que exijam mais função cognitiva dentro de um processo contínuo. É sempre importante definir qual é o foco do aprendizado.

O que uma criança deve aprender?

Essas habilidades cognitivas e socioemocionais são aquelas que são colocadas diariamente para as crianças e é importante que seja assim. Porque não adianta o cérebro desenvolver só as habilidades cognitivas ou só as socioemocionais ou vice-versa. Mas para dizer como a gente vai conseguir estimular tudo isso será necessário analisar as particularidades do ambiente em que a criança está inserida e as características da família e do ambiente escolar.

Quais são os diferentes tipos de aprendizagem e conexões neuronais?

Para o cérebro, é tudo memória. Toda vez que eu tenho uma conexão neuronal, tenho uma memória. A diferença entre aprendizado e memória é qualitativa. O aprendizado tem a ver com a construção de redes neuronais. Definir quais aprendizagens existem depende de entender quais as redes neuronais que aquele que está aprendendo tem e organiza. Inteligência pode ser definida como o que fazemos com as nossas memórias. Inteligência é a nossa capacidade de resolver nossos problemas. Quando pensamos em cérebro, obrigatoriamente pensamos em conexão. E quando a gente fala em aprendizagem, não estamos falando obrigatoriamente dos aprendizados na escola. Porque para a neurociência não existe Português, Matemática, História ou Geografia. É tudo conexão, e quando essa conexão se repete em um determinado tempo, o cérebro entende que ela é importante, e a gente forma uma aprendizagem.

O que é plasticidade neuronal?

É a capacidade de adaptabilidade do nosso cérebro. Por isso que conseguimos transitar em ambientes com demandas sociais diferentes. As pessoas tendem a pensar nisso quando há uma lesão, considerando a capacidade do nosso cérebro de se regenerar, por exemplo. Mas não é só isso. Essa capacidade é posta à prova diariamente. O cérebro leva mais ou menos seis meses para automatizar um comportamento e executá-lo com o menor gasto de energia possível.

Neste contexto, seria correto fazer uma comparação com o exercício: as pessoas sempre dizem que no começo é mais complicado, e depois a gente se acostuma?

Exatamente isso. O cérebro é regido pelas mesmas leis de um corpo biológico. Quanto mais eu faço uma coisa, mais tranquilo fica realizá-la. Quem continuou exercitando a atenção, por exemplo, vai estar melhor depois da pandemia.

E quais os impactos da pandemia?

Não são os impactos no Português ou na Matemática, isso a gente recupera. O problema está no fato de que o cérebro está “destreinado”. Quanto tempo as crianças ficaram sem treinar a atenção delas, por exemplo. A gente está vendo casos de crianças estressadas, nervosas. As memórias não foram “treinadas”. O cérebro está despreparado para voltar ao contexto escolar e social.

Como dar significado para os aprendizados que acontecem dentro ou fora da escola?

A melhor forma de lidar com esse problema é fazer a associação com aquilo que já se sabe. Quando pego coisas que já sei, estou ativando as redes neuronais com aquelas conexões que já tenho.

É por isso que é mais fácil aprender aquilo que a gente gosta?

Exato, o gostar significa que você já tem redes neuronais preparadas para isso. E aí o aprendizado fica mais tranquilo.

Como as telas impactam a maneira de aprender do ponto de vista da neurociência?

Quando a gente fala em telas, também é importante pensar no que estamos falando. Um jornalista, por exemplo, deve passar uma boa parte do tempo no computador. Mas ele tem um trabalho com muito estímulo intelectual. Se você está num joguinho de computador, com pouco estímulo intelectual, o cérebro se acostuma com isso e aí que vem o problema.

Quer dizer que, se o computador for usado como recurso pedagógico, não tem problema?

A questão não é a tela em si, é o tipo de estímulo ao qual a pessoa está sendo submetida. É lógico que estou analisando a questão do ponto de vista da neurociência. É lógico que você pode ter problemas de postura, por exemplo, se ficar muito tempo no computador

E a formação dos professores? Ela contempla a questão da neurociência?

Hoje não. Muitas vezes falta o entendimento do professor de que o veículo para receber as informações é o cérebro. Mas hoje o conhecimento da neurociência está acessível e cabe aos profissionais de educação buscar.

Veja algumas dicas:

  • Anotações de aula, sempre com as palavras do aluno, ajudam o cérebro a começar a elaborar a informação
  • Anotações e resumos também podem ser feitos por meio de imagens, palavras, setas, cores. Melhor evitar textos e frases longas
  • É importante tentar lembrar de palavras que foram ditas durante a aula e estabelecer o significado delas. Isso ajuda a restabelecer as redes neuronais associadas à aprendizagem
  • Perguntar aos seus colegas como eles estudam e estabelecer estratégias para o aprendizado. Aumentar o repertório de possibilidades para a aprendizagem e utilizá-las para encontrar o seu melhor jeito para estudar esse significado as informações
  • Dividir o estudo/atividade em pequenas partes com pequenos intervalos pré-programados entre eles. Esse é um excelente recurso para o controle da atenção e estimulação de memórias
  • Desenvolver, desde cedo, o autoconhecimento é importante: o que te motiva? O que melhora sua atenção? O que te faz participar mais? Sabe expressar seus pensamentos e emoções?

Mais de Estadão

image beaconimage beaconimage beacon