Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Norte e Nordeste têm mais estudantes afetados pela pandemia, diz FGV

Logotipo do(a) Poder360 Poder360 26/10/2020 Sabrina Freire
Escola pública de Brasília fechada; por causa da pandemia de covid-19, as escolas brasileiras adotaram o ensino remoto © Sérgio Lima/Poder360 Escola pública de Brasília fechada; por causa da pandemia de covid-19, as escolas brasileiras adotaram o ensino remoto

As regiões Norte e Nordeste são as que têm mais estudantes afetados pela pandemia de covid-19. Em 11 Estados, mais de 20% dos estudantes ficaram sem atividades escolares durante o mês de agosto.

Os dados são do estudo “Tempo para Escola na Pandemia”, desenvolvido pela FGV Social com base em microdados da Pnad Covid, do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Eis a íntegra (764 KB).

Quase metade dos estudantes de 6 a 15 anos do Pará (45,27%) e do Tocantins (41,29%) ficaram sem atividades escolares no período. São os Estados onde o ensino foi mais afetado.

Em seguida, os Estados que mais registraram alunos sem aulas foram Maranhão (34,14%), Amazonas (27,04%), Amapá (27,03%) e Bahia (26,83%).

Os dados mostram ainda que, em 20 Estados, a proporção de estudantes da faixa etária correspondente a alunos do ensino médio (16 e 17 anos) sem atividades é maior que a de alunos dos outros níveis inferiores de ensino.

No Pará, 62,59% dos alunos de 16 e 17 anos estão sem atividades escolares. Em seguida aparecem Bahia (45,26%) e Rio Grande do Norte (34,18%).

© Fornecido por Poder360

Parte dos estudantes, os que estão no último ano, são alunos que na teoria deveriam estar se preparando para o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). A prova será aplicada daqui a 3 meses, em janeiro de 2021.

“A falta de oferta de atividade escolar se dá por falta de envio de material por parte da rede de ensino, indo de 2,09% dos estudantes no Paraná a 45,3% no Pará. De maneira geral, alunos da região Norte também menos se envolveram com as poucas atividades que receberam, fatos que sugerem a existência de problemas de infraestrutura domiciliar e de demanda por parte desses alunos, além de 1 agravamento nas desigualdades regionais de educação no Brasil pós-pandemia. Ao fim e ao cabo, os resultados apontam para uma perda do crescimento e da equidade na acumulação de capital humano, com efeitos negativos para o país no longo prazo”, diz a FGV.

Estados brasileiros, que têm autonomia para decidir sobre a reabertura de escolas, vêm retomando as atividades em sala de aula de forma gradual. Em outubro, o governo federal lançou 1 guia com orientações para a retomada de aulas presenciais.

O retorno, de acordo com o guia, deve respeitar uma escala de intensidade de transmissão do coronavírus:

  • Azul: quando não há caso confirmado de contaminação pelo coronavírus, as escolas podem reabrir;
  • Verde: quando as instituições de ensino têm registro esporádico de casos de infecção, é possível reabrir;
  • Amarela: quando há transmissão local, restrita a regiões específicas (clusters), a maioria das escolas pode abrir. Autoridades locais, no entanto, podem decidir pelo fechamento das instituições;
  • Vermelha: quando há caso de transmissão comunitária, a Educação aponta risco para o funcionamento presencial das escolas e sugere a adoção das MSSP (Medidas Sociais e de Saúde Pública), que podem incluir o fechamento das escolas.

TEMPO PARA O APRENDIZADO

A pesquisa da FGV mostra ainda o tempo médio de horas dedicadas pelos estudantes ao aprendizado durante o período com aulas à distância.

Segundo o levantamento, os estudantes de 6 a 15 anos dedicaram efetivamente, ao longo do mês de agosto, 2,37 horas diárias ao estudo remoto. A média está abaixo do tempo mínimo indicado na Lei de Diretrizes Básicas da Educação, que é de 4 horas por dia.

Quanto mais velho é o estudante, menor é o tempo dedicado para o estudo remoto. De acordo com a FGV, os adolescentes de 16 e 17 anos matriculados se dedicam relativamente mais ao ensino remoto, mas sofrem com maior evasão escolar e, por isso, apresentam no cálculo geral menor tempo para escola que as crianças e adolescentes de 6 a 15 anos.

O estudo indica ainda que a partir dos 18 anos o tempo diário dedicado pelos estudantes matriculados ao aprendizado é de apenas 0,95 horas/dia.

“A falta de atividades escolares percebidas pelos estudantes é mais relacionada à inexistência de oferta por parte das redes escolares do que a problemas de demanda dos próprios alunos. Enquanto 13,5% dos estudantes de 6 a 15 anos não receberam materiais dos gestores educacionais e professores, apenas 2,88% não utilizaram os materiais que receberam por alguma razão pessoal”, diz a FGV.

Considerando a renda, o estudo mostra que quanto mais pobre é o estudante, menor é a frequência na escola, menor a quantidade de exercícios recebidos, e menor é o tempo dedicado aos exercícios recebidos.

“Os alunos mais pobres são 633% mais afetados pela falta de oferta de atividades escolares que os alunos mais ricos. Conclui-se que a desigualdade de oportunidades e de resultados educacionais aumentará durante a pandemia, quebrando tendência histórica de décadas”, diz o estudo.

Informações deste post foram publicadas antes pelo Drive, com exclusividade. A newsletter é produzida para assinantes pela equipe de jornalistas do Poder360. Conheça mais o Drive aqui e saiba como receber com antecedência todas as principais informações do poder e da política.

Mais de Poder360

image beaconimage beaconimage beacon