Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

TSE nega pedido de Haddad para suspender propaganda de Bolsonaro

Logotipo do(a) Estadão Estadão 15/10/2018 Rafael Moraes Moura

Entrevista coletiva do candidato pelo Partido dos Trabalhadores (PT), Fernando Haddad, no Hotel Matsubara, no bairro do Paraíso. © Tiago Queiroz / Estadão Entrevista coletiva do candidato pelo Partido dos Trabalhadores (PT), Fernando Haddad, no Hotel Matsubara, no bairro do Paraíso.
BRASÍLIA - O ministro Luís Felipe Salomão, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), decidiu negar dois pedidos da coligação de Fernando Haddad (PT) para suspender inserções televisivas do candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro. As peças publicitárias afirmam que o petista quer "desarmar a população" e o associam ao ex-ministro José Dirceu e ao presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

As inserções televisivas foram veiculadas na última sexta-feira (12). Para a coligação de Haddad, a propaganda de Bolsonaro procura atingir sua honra e marcar de forma negativa o projeto de governo e a trajetória do PT.

"O Haddad tem cara de bom moço, mas você parou para pensar o que o Haddad está carregando com ele?", indaga a propaganda de Bolsonaro, que associa o petista às imagens de Dirceu e Maduro.

Na segunda peça contestada pela coligação de Haddad, a campanha de Bolsonaro diz que "Haddad quer desarmar a população", enquanto Bolsonaro "acredita que o cidadão deve ter o direito a legítima defesa". A inserção também afirma: "A esquerda defende a legalização da maconha e do aborto. Bolsonaro é radicalmente contra as drogas e para ele o direito a vida é sagrado".

Para o ministro Luís Felipe Salomão, as duas propagandas de Bolsonaro veiculam conteúdo inerente "ao debate político-eleitoral e condiz com o horário gratuito, alcançado, portanto, pelo exercício legítimo da liberdade de expressão e opinião".

"É certo que, no ambiente democrático, as diferenças aparecem por ocasião da campanha eleitoral, e mesmo que a propaganda transmita mensagens provocantes ou desagradáveis ao adversário, é forçoso reconhecer que faz parte do discurso político", concluiu o ministro, em decisões assinadas no domingo (14).

Mais de Estadão

image beaconimage beaconimage beacon