Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Cada pessoa do mundo desperdiça 121 quilos de alimentos por ano

Logotipo do(a) IstoÉ Dinheiro IstoÉ Dinheiro 13/03/2021 Da redação com Estadão Conteúdo

A fome atinge milhares de pessoas em todo o mundo, mesmo assim o desperdício é grande. A estimativa é que cada pessoa no mundo desperdice 121 quilos de alimentos  por ano.

Uma pesquisa lançada neste mês mostra que 931 milhões de toneladas de alimentos, ou 17% do total disponível para os consumidores em 2019, foram para a cesta do lixo de domicílios, varejistas, restaurantes e de outros serviços alimentares.

+ Cerca de 20% dos alimentos são desperdiçados no mundo, diz ONU

O peso do desperdício global de comida equivale a aproximadamente 23 milhões de caminhões de 40 toneladas totalmente carregados que, se enfileirados, poderiam dar sete voltas na Terra. O estudo global Índice do Desperdício de Alimentos foi desenvolvido pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e a organização inglesa WRAP (The Waste and Resources Action Programme).

Significa dizer que cada pessoa no mundo desperdiça 121 quilos de alimentos por ano, em média, considerando o volume descartado pelos varejistas e consumidores. Desse total, 74 quilos são provenientes de domicílios. O relatório também inclui estimativas regionais e nacionais per capita.

O novo relatório da ONU complementa o “Food Losses Index”, elaborado pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), também com contribuições de pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Para Gustavo Porpino, especialista no tema da Embrapa Alimentos e Territórios (Maceió-AL) que colaborou como revisor do estudo da ONU, os achados da pesquisa contradizem a narrativa anterior de que o desperdício nas etapas de varejo e consumo estavam mais concentrados nos países desenvolvidos. “O estudo indica que ações para reduzir o problema são relevantes tanto em países desenvolvidos quanto em países emergentes. Nos países de renda média-baixa, o desperdício estimado nas famílias foi até maior do que em países de alta renda, isso se dá porque a classe média baixa tem mais dificuldades de planejar as compras, por vezes não têm os meios para preservar bem os alimentos e um segmento ainda não reaproveita as sobras das refeições. Educação e comunicação para mudança comportamental são importantes para reverter este quadro”, avalia.

O estudo também aponta que a maior parte do desperdício acontece nos domicílios, que descartam 11% do total de alimentos disponíveis na fase de consumo da cadeia de abastecimento. Os serviços alimentares e os estabelecimentos varejistas desperdiçam 5% e 2%, respectivamente.

As novas estimativas de desperdício de alimentos mundial foram geradas a partir de pontos de dados existentes e extrapolações baseadas nas estimativas observadas em outros países. O estudo da Embrapa e Fundação Getúlio Vargas (FGV) sobre desperdício de alimentos em famílias brasileiras, elaborado via projeto dos Diálogos Setoriais União Europeia – Brasil, foi utilizado para estimar o montante desperdiçado na etapa de consumo no Brasil.

Mais de IstoÉ Dinheiro

image beaconimage beaconimage beacon