Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Finlandesa assume como chefe de governo mais jovem do mundo

Logotipo do(a) AFPAFP 10/12/2019 AFP
Sanna Marin © Heikki Saukkomaa Sanna Marin

A finlandesa de centro-esquerda Sanna Marin, 34 anos, tornou-se a mais jovem chefe de governo do mundo nesta terça-feira. 

A ex-ministra dos Transportes assume o comando de uma coalizão de cinco partidos, todos liderados por mulheres, quatro delas com menos de 35 anos. 

Marin tornou-se o terceiro primeiro-ministro da Finlândia depois que sua nomeação foi aprovada no parlamento por 99 votos a favor e 70 contra, após o presidente Sauli Niinisto designar oficialmente o novo gabinete de centro-esquerda. 

A finlandesa Sanna Marin, 34 anos, tornou-se a mais jovem chefe de governo do mundo nesta terça-feira © Sam KINGSLEY A finlandesa Sanna Marin, 34 anos, tornou-se a mais jovem chefe de governo do mundo nesta terça-feira

A jovem política sucede Antti Rinne, que renunciou na semana passada depois de perder a confiança de um de seus partidos de coalizão. 

Marin é o chefe de governo mais jovem do mundo, à frente do primeiro-ministro ucraniano Oleksiy Honcharuk, que atualmente tem 35 anos. 

No início desta semana, a líder social-democrata havia dito que "nunca pensei em minha idade ou sexo, penso nas razões pelas quais entrei na política e nas coisas pelas quais conquistamos a confiança do eleitorado". 

Marin foi criada por sua mãe e a namorada e disse que sua "família arco-íris" mostrou a ela a importância de "igualdade, equidade e direitos humanos". 

Os social-democratas assumiram o governo em junho, depois de derrotar o partido anti-imigrante finlandês de extrema direita nas eleições gerais de abril. 

Alguns comentaristas viram o resultado como um triunfo para a sociedade liberal e igualitária da Finlândia contra um partido que procurava reduzir os níveis de asilo quase para zero e suspender políticas para combater as mudanças climáticas.

Em uma mensagem na terça-feira no Parlamento, Marin insistiu no objetivo de recuperar a confiança em seu partido. "Prometemos ao povo finlandês uma mudança e agora devemos cumprir essa promessa", concluiu.

sgk/klm/mb/eg/cn

image beaconimage beaconimage beacon