Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Principais notícias

Pentágono diz não ter recebido ordem de intervir na Venezuela

Logotipo do(a) VEJA.com VEJA.com 01/05/2019 Da Redação
Juan Guaidó e Nicolás Maduro: alto comando venezuelano fechou acordo com oposição, desligou celulares e recuou para os braços do governante. © Carlos Garcia Rawlins/Reuters – Marco Bello Juan Guaidó e Nicolás Maduro: alto comando venezuelano fechou acordo com oposição, desligou celulares e recuou para os braços do governante.

O Pentágono informou ao Congresso dosEstados Unidos nesta quarta-feira, 1, não ter recebido ordens para preparar uma intervenção militar direta na Venezuela. Mas, diante do Comitê de Serviços Armados da Câmara dos Deputados, a secretária-assistente de Defesa para Assuntos de Segurança Internacional, Kathryn Wheelbarger, disse estar a instituição preparada para mobilizações necessárias.

ACOMPANHE TUDO SOBRE A TENSÃO NA VENEZUELA

“É claro que sempre analisamos opções disponíveis e planos para contingências”, afirmou ela. “Mas, neste caso, não recebemos o tipo de ordens que você está discutindo, não”, completou Wheelbarger.

O secretário interino da Defesa, Patrick Shanahan, cancelou nesta quarta-feira uma viagem à Alemanha e à Bélgica para coordenar o Pentágono com o Conselho de Segurança Nacional e o Departamento de Estado na questão da crise na Venezuela e também na situação crítica na fronteira entre os Estados Unidos e o México, segundo a Voz da América.

Celulares desligados

Na terça-feira 30, diante dos confrontos entre as forças de Nicolás Maduro e as manifestações da oposição em prol de sua renúncia, o governo de Donald Trump reiterou considerar “todas as opções” para o caso venezuelano. Portanto, a intervenção militar continua sobre a mesa.

O conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, John Bolton, chegou a mencionar que três importantes colaboradores do regime, entre os quais o ministro da defesa, Vladimir Padrino, tinham feito um acordo para apoiar o oposicionista Juan Guaidó, autoproclamado presidente interino da Venezuela. Mas tinham recuado.

Guaidó antecipara a mobilização popular de 1º de maio para a terça-feira sob o argumento de que já contava com o apoio militar necessário para derrubar Maduro. O enviado especial dos Estados Unidos para a Venezuela, Elliot Abrams, afirmou nesta quarta-feira que os “altos funcionários” do governo de Maduro que assinaram o acordo haviam “desligado seus celulares”.

Abrams suspeita de ação dos governos russo e cubano para convencer “quase todo o alto comando” a recuar. Além de Padrino, o acordo com 15 pontos negociado com a oposição envolveu o presidente do Tribunal Supremo de Justiça, Maikel Moreno, e o diretor de Contrainteligência, Iván Hernández Dala. O americano insistiu não ter havido participação de autoridades do governo de Trump. O acordo, comentou, previa garantias de respeito à dignidade, para que pudessem deixar o país “com honra”.

“Falaram, falaram e falaram, e quando chegou o momento da ação, não estavam dispostos a fazer”, afirmou Abrams. “Por quê? Qual foi o papel dos russos? Qual foi o papel dos cubanos? Estamos tratando agora de buscar as respostas a essas perguntas, mas sabemos que houver algumas prisões de líderes da inteligência e do corpo militar (da Venezuela)”, completou.

Maduro não tomara parte das negociações, segundo Abrams. Em sua opinião, talvez o líder venezuelano tenha descoberto o acerto e decidido reagir na terça-feira, quando Guaidó anunciava ter o apoio necessário.

“Penso que a partir de agora, Maduro deve saber que não tem o apoio daqueles que prometerem e se colocam a seu lado. Agora, cada um deles sabe que Maduro precisa sair”, completou.

(Com EFE)

_______________________________

Quer receber as principais notícias do MSN Brasil pelo Facebook Messenger?
Inscreva-se agora.

Mais de Veja.com

image beaconimage beaconimage beacon