Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Sem Trump, Cúpula das Américas deve discutir corrupção no continente

Logotipo do(a) RFI RFI 6 dias atrás RFI

A corrupção em diversos países da América Latina e a crise na Venezuela serão os principais assuntos na agenda da Cúpula das Américas, que acontece nesta sexta-feira (13) e sábado (14), em Lima, no Peru. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, não participa da conferência para poder lidar com a crise na Síria. 

O presidente dos EUA cancelou no último minuto o que seria sua primeira viagem à América Latina desde que assumiu o cargo, em janeiro de 2017. Segundo a Casa Branca, ele escolheu ficar em Washington "para supervisionar a resposta dos EUA à Síria". O vice-presidente Mike Pence representará os Estados Unidos em Lima e Ivanka, filha e conselheira do presidente, também estará presente, promovendo o papel das mulheres na economia do continente.

Esta é a primeira vez que um presidente americano não participa do encontro regional implementado pelo ex-presidente Bill Clinton em 1994. A ausência foi recebida como um insulto pela América Latina, há muito vista como o quintal dos Estados Unidos, mas onde a influência da China está crescendo.

"Pela primeira vez em muito tempo, os Estados Unidos pararam de agir de maneira proativa frente à América Latina e essa decisão só confirma isso", disse a analista política peruana Lucia Dammert.

Relações tensas com o México

Em quase 15 meses de presidência, Trump teve relações tensas com seus vizinhos do sul, particularmente com o México em questões de migração e comércio. Um exemplo é a decisão do presidente de enviar de 2.000 a 4.000 militares à fronteira com o México para conter a imigração ilegal. 

A decisão exacerbou as tensões com o vizinho do sul, que considerou as atitudes desrespeitosas. Na segunda-feira (9), o chefe da diplomacia mexicana, Luis Videgaray, disse que o país reavaliaria sua relação de cooperação com os EUA por causa de disputas bilaterais "notórias".

Na questão comercial, a renegociação do Acordo de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA), assinado em 1994 com o Canadá e o México e considerado um "desastre" por Trump, também está dificultando as relações regionais com Washington.

Maduro ausente

Apesar da ausência de Trump em Lima, a situação na Venezuela estará no centro das discussões desta VIII Cúpula das Américas. Uma frente comum contra o governo do socialista Nicolás Maduro poderia surgir, com o objetivo de não reconhecer o resultado da eleição presidencial marcada para o dia 20 de maio.

Para Washington, a Venezuela é "o problema mais urgente do hemisfério", disse um funcionário do Departamento de Estado dos EUA.

© Fournis par RFI

De sua parte, o líder venezuelano desistiu na terça-feira (10) de viajar ao Peru, dizendo que não estaria em segurança. Esta reunião "não é uma das nossas prioridades, nenhuma decisão será tomada, é uma verdadeira perda de tempo", acrescentou.

O encontro, no entanto, contará com a presença de Raúl Castro, poucos dias antes de o líder cubano passar o bastão, pondo fim a mais de 40 anos de poder incontestado dos irmãos Castro na ilha.

A corrupção também estará no centro das discussões, após diversos escândalos que varreram o continente, incluindo o ex-presidente peruano Pedro Pablo Kuczynski, recentemente deposto, e ex-chefe de Estado do Brasil Luís Inácio Lula da Silva, agora na prisão. 

Com informações da AFP

-----------------------------------------------

Vídeo: Moscou adverte Ocidente sobre ataque à Síria (Via AFP)

A SEGUIR
A SEGUIR


Siga o MSN no Facebook

MAIS DE RFI

image beaconimage beaconimage beacon