Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Status de Golã 'não mudou' para ONU com decisão dos EUA

Logotipo do(a) AFPAFP 25/03/2019
O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, na abertura da 40ª sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, na abertura da 40ª sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra

O status legal das colinas de Golã permanece inalterado para as Nações Unidas após a decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de reconhecer a "soberania" de Israel neste território do Oriente Médio, declarou nesta segunda-feira o porta-voz da ONU Stephane Dujarric.

"Para o secretário-geral (António Guterres), está claro que o status de Golã não mudou. A política da ONU em relação à Golã procede das resoluções aprovadas pelo Conselho de Segurança e esta política, novamente, não mudou", disse Dujarric durante entrevista coletiva.

As consultas do Conselho de Segurança da ONU sobre a Força das Nações Unidas de Observação da Separação (FNUOS) - a missão da ONU de manutenção da paz nas colinas de Golã - ocorrerão nesta quarta-feira, em Nova York.

Nesta terça-feira, uma reunião pública mensal do Conselho sobre o Oriente Médio também permitirá a seus membros debater a decisão de Trump.

Durante as consultas de quarta-feira, será "interessante" escutar a posição dos Estados Unidos sobre o futuro da FNUOS, cujo mandato expira no final de junho, declarou um diplomata, para quem a manutenção da missão pode se tornar incompatível com a nova política.

Com um custo anual de 60 milhões de dólares, a FNUOS emprega mil capacetes azuis e é a responsável, desde 1974, pelo controle da zona desmilitarizada nas colinas de Golã.

Na ONU, a resolução que renova regularmente o mandato da FNUOS tem a particularidade (única para operações de paz) de ser redigida a cada ano por Estados Unidos e Rússia.

Israel conquistou grande parte das colinas de Golã da Síria durante a Guerra dos Seis Dias, em 1967, antes de anexá-la, em 1981, algo não reconhecido internacionalmente.

A decisão de Trump recebeu fortes críticas, de muitos países, e a Síria voltou a denunciar, nesta segunda-feira, um "ataque flagrante" à sua soberania.

As colinas de Golã, um território considerado estratégico, dominam a Galileia e o Mar da Galileia na parte controlada por Israel.

Vídeo: Príncipe Charles visita Cuba 

Veja as notícias mais importantes do dia no seu celular com o app Microsoft Notícias. Disponível para iOS e Android. Baixe agora.

image beaconimage beaconimage beacon