Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Bolsa perde os 105 mil pontos

Logotipo do(a) Exame.com Exame.com 19/09/2019 Juliana Estigarribia
BOLSA: Vale responder por 11,39% do índice Ibovespa / Germano Lüders © Germano Lüders/EXAME/EXAME BOLSA: Vale responder por 11,39% do índice Ibovespa / Germano Lüders

O efeito do corte da Selic ajudou, mas não foi suficiente para sustentar o Ibovespa. Após se aproximar do recorde histórico, a bolsa brasileira perdeu o vigor da abertura e mudou de direção no final da tarde. O índice que reúne das principais ações da B3 fechou no vermelho, aos 104.339 mil pontos, após ter alcançado 106.001 na máxima do dia – o recorde durante a sessão foi de 106.650 pontos, batido em 10 de julho.

O Ibovespa caiu 0,18%, contaminado pelo mau desempenho dos bancos Itaú Unibanco e Bradesco. Também pesou a fraqueza dos papéis da Petrobras.

Petrobras

Eventos favoráveis à estatal levaram as ações a subirem mais de 2% no início do dia, mas o papel perdeu força e fechou em alta ao redor de 0,26%.

A petrolífera decidiu elevar o preço médio do diesel em 4,2% e da gasolina em 3,5% nas refinarias a partir desta quinta-feira, após ataques a instalações da Saudi Aramco no fim de semana terem elevado os valores internacionais do petróleo. Na segunda, dia em que o petróleo disparou 15%, o presidente Jair Bolsonaro e a própria companhia anunciaram que a alta não seria repassada de imediato ao mercado interno.

A postura chegou a levantar dúvidas sobre o comprometimento da estatal em manter sua política de preços, pautada em acompanhar as oscilações do mercado internacional. A Petrobras adotou a regra no governo Michel Temer, quando seus dirigentes determinaram o fim das intervenções para controlar a inflação, como ocorreu no governo Dilma Rousseff.

A conduta do governo atual acerca da Petrobras tem sido positiva em comparação às gestões imediatamente anteriores e a empresa vem conseguindo atuar de maneira independente, defendeu o CEO da consultoria Mesa Corporate Governance, Luiz Marcatti. “As declarações do [Jair] Bolsonaro sobre o preço dos combustíveis geralmente são intempestivas e carregam riscos. Felizmente, dessa vez, o efeito foi limitado”, acrescentou.   

Em relatório, analistas da Guide investimentos avaliaram a decisão da Petrobras como positiva, ao demonstrar “certa autonomia na governança em relação ao governo” e dar “credibilidade para as mudanças em curso na companhia”.

Outro fator positivo sobre os papéis foi a nova alta petróleo no exterior. O barril tipo Brent chegou a subir 2%, após uma trégua de dois dias, dado que os riscos de oferta na Arábia Saudita ainda não foram descartados. As tensões voltaram conforme os EUA e os sauditas culparam o Irã pelos ataques.

“A indústria de petróleo saudita pode ser ameaçada novamente, e poderemos ver mais interrupções de oferta no Golfo Pérsico”, disse à Reuters Gene McGillian, vice-presidente de pesquisas de mercado da Tradition Energy.

Dólar ganha força com novo cenário

Já o dólar voltou ao seu maior valor em duas semanas. Fortalecida pela queda da Selic e a perspectiva de que o Copom manterá este ritmo na próxima reunião, a moeda escalou no final do dia e fechou em forte alta de 1,50%, a 4,1642 reais na venda, maior nível de fechamento desde 3 de setembro.

Com a  queda da Selic, cai também o retorno da arbitragem da taxa de juros, conhecida como carry trade. Nesta operação, os investidores tomam dinheiro em um mercado com taxas baixas e aplicam em países com juros maiores. Este diferencial entre os mercados americano e brasileiro aumentou, afetando diretamente o câmbio. A queda dos juros no Brasil também estimula uma saída de recursos para mercados mais rentáveis, como o México.

_____________________

Vídeo: Argentinos se unem contra fome (AFP)

A SEGUIR
A SEGUIR

Mais de Exame.com

image beaconimage beaconimage beacon