Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Bolsonaro comemora alta da bolsa e atribui recorde a otimismo com governo

Logotipo do(a) VEJA.com VEJA.com 09/01/2019 Redação
Bolsonaro: "O cenário mundial somou-se ao otimismo no Brasil com o novo governo" © Alan Santos Bolsonaro: "O cenário mundial somou-se ao otimismo no Brasil com o novo governo"

O presidente Jair Bolsonaro comemorou nesta quarta-feira, 9, o bom resultado da bolsa de valores, que fechou acima de 93.000 pontos pela primeira vez na história. O Ibovespa, índice de referência do mercado acionário, bateu recorde pelo segundo dia consecutivo, fechando em 93.613, uma alta de 1,72%.

O cenário mundial somou-se ao otimismo no Brasil com o novo governo. Com saúde fiscal e liberdade econômica, vamos resgatar a confiança em nosso país!”, escreveu Bolsonaro no Twitter.

dólar fechou abaixo de 3,70 reais pela primeira vez em mais de dois meses. A moeda americana recuou 0,75%, a 3,6878 reais na venda, o menor valor 26 de outubro passado, quando foi vendido a 3,6878 reais. O movimento de queda acompanhou o comportamento da moeda no mercado externo após o término das negociações comerciais entre Estados Unidos e China e em meio à expectativa de anúncio de uma proposta de reforma da Previdência pelo governo Jair Bolsonaro.

Foi a quinta queda em seis pregões, acumulando, em janeiro até agora uma redução de 4,85%. Na mínima desta sessão, a moeda foi a 3,6758 reais e, na máxima, a 3,7128 reais.

Segundo analistas de mercado, há uma euforia generalizada com a possível entendimento comercial entre Estados Unidos e China. “O primeiro encontro entre as autoridades americanas e chinesas após o anúncio de uma trégua tarifária de noventa dias no G20 chega ao fim. Essa nova rodada – que tinha como principal objetivo andar na direção de um acordo definitivo e pôr um fim à guerra comercial – parece ter sido concluída em tom positivo”, afirma relatório da Guide Investimentos.

No campo doméstico, a indicação da equipe econômica de que a reforma da Previdência pode ser mais dura que a enviada pelo ex-presidente Michel Temer é um sinal positivo. Os analistas alertam, entretanto, para o fato de que é preciso reformar logo a Previdência, preferencialmente sem excluir nenhuma categoria das mudanças, como os militares. “O otimismo e voto de confiança por parte do capital financeiro com a agenda do novo governo associada a um setor externo positivo favorecem o mercado interno”, afirma a Necton.

(Com Reuters)

Veja as notícias mais importantes do dia no seu celular com o app Microsoft Notícias. Disponível para iOS e Android. Baixe agora.


Mais de Veja.com

image beaconimage beaconimage beacon