Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Bolsonaro levanta o tom contra governadores em entrevista à Record

Logotipo do(a) Poder360 Poder360 23/03/2020 Douglas Rodrigues
Bolsonaro com máscara de proteção durante entrevista sobre a pandemia de coronavirus na 4ª feira, no Palácio do Planalto. Neste domingo, falou à TV Record © Sérgio Lima/Poder360 Bolsonaro com máscara de proteção durante entrevista sobre a pandemia de coronavirus na 4ª feira, no Palácio do Planalto. Neste domingo, falou à TV Record

O presidente Jair Bolsonaro criticou na noite deste domingo (22.mar.2020) os governadores de Estados pelas medidas restrições de circulação adotadas para evitar a disseminação do coronavírus. Segundo ele, os governantes estaduais estão “exterminando” vagas de emprego no Brasil.

“Estamos fazendo o contato direto com os prefeitos, porque é lá que o povo vive. E não na fantasia de alguns governadores. Esse é o nosso trabalho. E acalmar a população. Evitar que o pânico chegue no meio da população, porque as consequências serão trágicas. No momento, já temos 1 problema: os governadores são verdadeiros exterminadores de emprego, essa parte eu deixo claro. Essa é uma crise muito pior do que o próprio coronavírus vem causado no Brasil e pode causar ainda.”

A declaração foi feita na noite deste domingo (22.mar.2020) à TV Record. Assista abaixo (12min22s):

Repetir vídeo


No sábado, o presidente já havia criticado os governadores de São Paulo, João Doria (PSDB) e do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC) pelas decisões feitas para frear a covid-19. Doria, por exemplo, decretou o fechamento de todos os serviços não essenciais a partir de 24.mar até 7 de abril.

Bolsonaro afirmou não ver eficácia em parar o país inteiro, fechando todos os negócios. Afirma que o dano à economia será devastador. Durante a entrevista, disse que está fazendo contato direto com os prefeitos, porque “é lá que o povo vive”.

Segundo Bolsonaro, o povo saberá que foi “enganado” pelos governadores e pela mídia na crise de covid-19 (doença causada pela presença de coronavírus no organismo).

“A grande mídia e governadores de olho na minha cadeira, se puder antecipar a minha saída, eles farão. Da minha parte, eles não terão oportunidade disso. Nós vamos cumprir nosso papel. Melhor discutir quem está bem ou não está bem diante de panelaços armados pelo sistema Globo. Se alguém quiser armar 1 panelaço contra a Globo à noite, o Brasil vai se transformar em uma caixa de som”, disse.

Na semana passada, pesquisa do Ipespe encomendada pela XP indicou que a base de apoio de Bolsonaro se mantinha firme, perto dos 30%. Já outro levantamento do Datafolha indica que a maior parte da população já apoia medidas drásticas contra o coronavírus.

O presidente falou que não está preocupado com a popularidade: “Estamos fazendo o nosso trabalho despreocupado com a minha popularidade. A minha popularidade é o que menos importa. Eu quero é, se Deus quiser, no futuro entregar o Brasil muito melhor para quem nos ceder do que eu peguei em janeiro do ano passado.”

© Fornecido por Poder360



Os casos confirmados de covid-19 crescem exponencialmente no Brasil. De sábado para domingo, saltou 37%. Já são 1.546 infectados e 25 mortos.

O presidente disse que a situação do país é diferente da Itália e não se pode fazer a mesma comparação. O país europeu é o novo epicentro da doença e já registrou 5.476 mortes.

Bolsonaro acha exageradas as projeções do Ministério da Saúde. Segundo o órgão, haverá uma escalada de mortes e infecções nas próximas semanas.

“Eu não interfiro no trabalho do Luiz Mandetta, nosso ministro da Saúde. Eu vejo os números que partem de lá, dessas projeções. Eu tô achando que há 1 exagero nisso aí. Nós temos que levar em conta a situação daquela pessoa. Como no Rio de Janeiro: tem uma pessoa grave entubada lá. Tem 50 anos. Desde os 12 era 1 fumante inveterado. Então qualquer problema que adquira vai ser uma catástrofe para a vida dele. Não há uma menor dúvida disso daí.”

“Mais importante que a economia é a a vida. Mas nós não podemos extrapolar na dose. Com o desemprego aí, a catástrofe será maior”, disse.

© Fornecido por Poder360

__________________________________________

Mais de Poder360

image beaconimage beaconimage beacon