Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Governadores se reúnem com Bolsonaro em clima de desconfiança

Logotipo do(a) Estadão Estadão 21/05/2020 Jussara Soares
O presidente Jair Bolsonaro no Palácio do Alvorada © GABRIELA BILO/ ESTADÃO O presidente Jair Bolsonaro no Palácio do Alvorada

BRASÍLIA – De olho na liberação do socorro emergencial aos Estados e municípios para enfrentar a pandemia do coronavírus, governadores se reúnem com o presidente Jair Bolsonaro por videoconferênica nesta quinta-feira, às 10 horas, pregando “paz” e “união” em público, mas mergulhados em desconfianças recíprocas.

O grupo concordou em deixar de lado a tensão causada pelas críticas frequentes de Bolsonaro ao distanciamento social e se ater a uma pauta para obter garantias do governo federal da liberação dos recursos, exigir ampla testagem e cobrar a promessa da entrega de respiradores e kits de equipamentos de proteção individual.

Governadores, em caráter reservado, reclamam que as reuniões com o presidente costumam ser pouco produtivas e sem resultados imediatos. Em março, em uma rodada de encontro com governadores por regiões, o destaque ficou para a discussão travada por Bolsonaro com o governador de São Paulo,João Doria (PSDB), um dos seus principais adversários políticos.

O novo convite do presidente foi feito sob o pretexto de discutir a sanção do projeto de socorro aos Estados e municípios e o veto ao trecho do texto que permite o aumento salarial para servidores públicos até 2021. Na semana passada, Bolsonaro disse que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), participaria do encontro, mas isso não está previsto.

O projeto foi aprovado no Senado no último dia 6 e ainda não foi sancionado por Bolsonaro. O prazo termina no próximo dia 27. O programa de socorro previsto na proposta destina R$ 60 bilhões aos Estados e municípios para compensação de perdas de receita e ações de prevenção.

Governadores concordaram com o encontro, mas afirmam haver consenso de que a responsabilidade do veto é do presidente, embora a maior parte do grupo concorde em não permitir o reajuste salarial. “A responsabilidade é dele. Vamos ouvir o que o presidente tem a dizer e falar da situação financeira dos nossos Estados”, disse um governador ao Estadão.

Para evitar novo embate, o governador do Mato Grosso, Reinaldo Azambuja (PSDB), ficou encarregado de ser o porta-voz das demandas e adotar um tom conciliador. A decisão foi tomada na reunião realizada na manhã desta quarta-feira, 20, com participação de representantes de 18 Estados.

Em coletiva nesta quarta, Doria, que não descarta adotar o lockdown (bloqueio total no estado), disse que fará uma "reunião em paz com o presidente da República” para poder “proteger a vida, obedecer a ciência e respeitar a orientação da medicina.” “A expectativa é de união contra o coronavírus”, disse ao Estadão o governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), que decretou o lockdown em 17 municípios do Estado.

A fala amena dos governadores é também uma tentativa de evitar que sejam arrastados para a narrativa do presidente de que ele busca o diálogo, mas encontra resistência nos chefes dos Executivos estaduais. O receio é de que o encontro seja usado por Bolsonaro, que defende o fim da quarentena, para dividir o ônus da pandemia do novo coronavírus. A doença já registra 18.859 mortes e 291.579 casos confirmados no País.

A avaliação é de que a estratégia do presidente de atribuir aos governadores a culpa pelo caos econômico não encontrou eco na maior parte da população e agora pode tentar dividir a culpa pela escalada da covid-19 no país. Na semana passada, Bolsonaro convocou empresários a “jogar pesado” contra o governador de São Paulo para exigir a volta das atividades comerciais.

__________________

Vídeo: Trump ataca jornalista de emissora americana (KameraOne)

A SEGUIR
A SEGUIR

Mais de Estadão

image beaconimage beaconimage beacon