Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Greenwald diz que Moro perderia cargo ‘em qualquer país democrático’

Logotipo do(a) VEJA.com VEJA.com 26/06/2019 Da Redação

O jornalista Glenn Greenwald disse, nesta terça-feira, 25, que o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, não negou, em nenhum momento, a veracidade das mensagens reveladas pelo site The Intercept Brasil, envolvendo o então juiz federal e o procurador Deltan Dallagnol. “Ele disse apenas que o material poderia ter sido alterado”, afirmou.

Greenwald foi ouvido em uma audiência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados nesta terça-feira, 25. 

Tudo sobre vazamento de mensagens entre Moro e o MP

Greenwald afirmou que ficou “chocado” quando teve contato com o material enviado à equipe do The Intercept Brasil por uma fonte anônima. Ele disse que, “em qualquer país democrático”, Moro sofreria consequências graves, como perda do cargo de ministro ou proibição para exercer a função pública. “Esse material vai continuar sendo reportado e ele [Moro] não pode fazer nada para impedir isso”, disse.

Na sessão desta terça-feira, o jornalista também rebateu as declarações de que o conteúdo foi obtido de forma ilegal. Greenwald disse que “não tem importância nenhuma” o método utilizado por uma fonte para obter uma informação. “O jornalismo mais importante nas ultimas décadas foi baseado em informações e documentos muitas vezes roubados”, afirmou.

Veja mais no MSN Brasil:
STF decide julgar hoje se Moro foi parcial com Lula (VEJA.com)
Ao vivo: comissão retoma debate sobre Previdência (Poder360)
Para 56%, vazamentos não põem Lava Jato em dúvida (Poder360)
Anúncio' de Joice sobre prefeitura de SP divide PSL (Estadão)

Greenwald questionou a postura de Moro na troca de mensagens sobre o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Segundo o site, o atual ministro de Bolsonaro pediu para Dallagnol não investigasse o tucano, por se tratar de alguém cujo apoio era “importante”. “Isso não é corrupto ou antiético? Um crime para impedir uma investigação?”, questionou.

Em outro momento da sessão, Glenn disse Deltan Dallagnol e os demais procuradores foram “tão subservientes que vocês [deputados] vão ter vergonha”, fazendo referência a possíveis novos vazamentos. “Todas as coisas que Sergio Moro queria, aconteceram, porque ele era o chefe desse processo”.

A deputada Carla Zambelli (PSL-SP) disse que Glenn cometeu uma “estupidez” ao divulgar as mensagens, porque as reportagens do site incentivarão as manifestações previstas para o próximo dia 30 de junho a favor da Operação Lava Jato. “Onde estão os áudios que você [Glenn] diz que tem? Se o senhor não provar, é criminoso. Se comprovar a veracidade, é criminoso também, porque invadiu o celular de alguém”, disse a parlamentar do partido do presidente da República. Em resposta, o jornalista disse que Zambelli iria se arrepender de sua fala se os áudios vierem à tona. Na sequência, a deputada deixou a sessão.

Desde o dia 9 de junho, o site The Intercept Brasil tem publicado reportagens sobre conversas do atual ministro da Justiça e Segurança Pública com o chefe da força-tarefa da Lava Jato.

No dia 14 de junho, o site revelou que Moro pediu aos procuradores uma nota à imprensa para responder ao que classificou como “showzinho” da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva após o depoimento do petista no caso do triplex do Guarujá, em São Paulo.

Greenwald foi convidado pelos deputados Camilo Capiberibe (PSB-AP), Carlos Veras (PT-PE), Márcio Jerry (PCdoB-MA) e Túlio Gadelha (PDT-PE).

Como informa o blog Radar, um forte esquema de segurança foi montado para entrada no plenário. Apenas funcionários designados e com crachá especial poderão entrar na sessão da Câmara.

Reportagem de capa de VEJA também mostrou como a atuação de Moro nos casos da Lava Jato alçou o juiz ao posto de celebridade – imagem que começa a mudar com a divulgação das mensagens. Os diálogos são inequívocos: mostram o estabelecimento de uma relação de coope­ração incompatível com a imparcialidade exigida por lei de qualquer juiz.


Quer receber as principais notícias do MSN Brasil pelo Facebook Messenger?
Inscreva-se agora.


Mais de Veja.com

image beaconimage beaconimage beacon